O Futuro do Pensamento na Era da Informática

Publicado por Conteudoescola - autoria equipe Conteudoescola em 17/10/2004 às 09h41
Lançado em português em 1993, talvez seja o livro mais importante de Pierre Lévy, autor consagrado no estudo da história, filosofia e antropologia da informação.


Pierre Lévy – As tecnologias da Inteligência- O futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Editora 34, 2004, 13a. Edição. 

Lançado em português em 1993, talvez seja o livro mais importante de Pierre Lévy, autor consagrado no estudo da história, filosofia e antropologia da informação. Muitas das obras que vieram em seguida (vide relação no final do texto) serviram mais ao marketing editorial, explorando o sucesso conseguido pelo autor junto a um público ávido de conhecimento a respeito das tecnologias da informação que à introdução de novas idéias e conceitos. Sua leitura cobre todo o pensamento de Pierre Lévy, repetido, de modo exaustivo, em outras publicações do autor. 

Na introdução (Face à técnica) Lévy declara: "Novas maneiras de pensar e de conviver estão sendo elaboradas no mundo das telecomunicações e da informática. As relações entre os homens, o trabalho, a própria inteligência dependem, na verdade, da metamorfose incessante de dispositivos informacionais de todos os tipos. Escrita, leitura, visão, audição, criação, aprendizagem são capturados por uma informática cada vez mais avançada. Não se pode mais conceber a pesquisa científica sem uma aparelhagem complexa que redistribui as antigas divisões entre experiência e teoria. Emerge, neste final do século XX, um conhecimento por simulação que os epistemologistas ainda não inventaram".

A correta e precisa tradução de Carlos Irineu da Costa ilustra que um dos principais agentes de transformação das sociedades atuais é a técnica, ou melhor, as técnicas, sob suas diferentes formas, usos diversos e as implicações que têm sobre o cotidiano e sobre nossas atividades.

No texto, Lévy privilegia, entre a grande quantidade de técnicas existentes, as técnicas de transmissão e tratamento das mensagens, uma vez que são as que transformam os ritmos e modalidades da comunicação de modo mais direto, contribuindo para a redefinição das organizações.

Lévy propõe o fim da (pretensa) oposição entre o homem e a máquina; e questiona: o que é a técnica e como ela influencia os diferentes aspectos de nossa sociedade? Em que medida indivíduos ou projetos singulares conseguem alterar os usos e sentidos da técnica? A técnica é necessariamente racional e utilitária?

Ataca o mito da "técnica neutra', nem boa nem má, posicionando-a num contexto social mais amplo, em parte determinado por ela – a técnica, mas também sendo determinada por ele – o contexto social. 

Elabora todo um arcabouço teórico – oralidade primária, escrita e informática (os três tempos do espírito) - entre outras noções didáticas e inova conceitualmente (hipertexto, ecologia cognitiva, tecnodemocracia) na esteira do pensamento precursor de Marshall McLuhan, ("the mass age", aldeia global, dois de seus conceitos) outro notável canadense que nos anos 60 revelou à civilização ocidental as primeiras luzes do que seria, 40 anos depois, a era da tecnologia da informação (the mass age, na aldeia global).

Ume excelente texto para fundamentação técnica, escrito em linguagem clara e elegante: sem dúvida, um clássico no assunto.


Sumário

Introdução- Face à técnica 

I – A metáfora do Hipertexto

1. Imagens do Sentido
2. O hipertexto
3. Sobre a técnica enquanto hipertexto: o computador pessoal
4. Sobre a técnica enquanto hipertexto: a política das interfaces
5. O groupware
6. A metáfora do hipertexto

II – Os três tempos do espírito: oralidade primária, escrita e informática

7. Palavra e memória
8. A escrita e a história
9. A rede digital
10. O tempo real
11. O esquecimento

III – Rumo a uma ecologia cognitiva

12. Para além do sujeito e do objeto
13. As tecnologias intelectuais e a razão
14. As coletividades pensantes e o fim da metafísica

15. Interfaces

Conclusão - Por uma tecnodemocracia 

0-0-0-0

Outras obras de Pierre Lévy:

O que é virtual?
São Paulo: Editora 34, 1996.

A ideografia dinâmica: rumo a uma imaginação artificial?.
São Paulo: Loyola, 1998.

A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço.
São Paulo: Loyola, 1998.

A máquina do universo: criação, cognição e cultura informática.
Porto Alegre: ArtMed, 1998.

As árvores do conhecimento (com Michel Authier).
São Paulo:Escuta, 1998.

Cibercutura. São Paulo:Editora 34, 1999.

O fogo liberador. São Paulo: Iluminuras, 2000.

A conexão planetária: o mercado, o ciberespaço, a consciência. São Paulo: Editora 34, 2001.
 

Resenha: PIERRE LÉVY, As Tecnologias da Inteligência - O Futuro do Pensamento na Era da Informática

Categoria: Resenhas

voltar para Artigos

show fwR center tsY|tsN uppercase fwB fsI center|show fwB uppercase fsI left|bnull|||news fwB tsN fwR tsY c05|normalcase fwR fsN sbss c15sw sbse|b01 c05 bsd|login news sbse c10sw fsN|tsN normalcase fwR fsI c15 b01 bsd|signup c05|content-inner||