Características da escola do século XXI - 1ª Parte.

Publicado por Conteúdoescola - Escrito por Duglas Wekerlin Filho em 09/05/2004 às 10h05
Resumo

Este artigo analisa algumas condições para que haja aprendizagem nas escolas, tais como: transmissão de conhecimento; ambientes de aprendizagem; mediação da aprendizagem; motivação dos alunos e a pedagogia de projetos. As diferentes situações são apresentadas e comentadas à luz das necessidades do novo século.

 


Palavras-chave: ambientes, conhecimentos, mediação, motivação, transmissão e projetos.

 

INTRODUÇÃO

 

As escolas, atualmente, têm sofrido críticas devido ao fato de os alunos demonstrarem, crescentemente, a insatisfação por freqüentá-las. Eles vão à escola mais por obrigação do que por vontade. Este fato tem chamado a atenção de pesquisadores em educação, brasileiros e internacionais, que estão estudando este fenômeno, pois o mesmo não está ocorrendo apenas no Brasil.

 

Verifica-se que muitas escolas têm o ensino centrado ainda no professor, ou seja, este é o transmissor de informações que são necessárias para que os alunos aprendam.
O papel dos alunos, na maioria das vezes, é de ouvinte e de repetidor de modelos. O envolvimento na aprendizagem deles é pobre e cansativo, pois eles têm de ficar sentados por horas apenas ouvindo e, em seguida, fazer uma série de exercícios.

 

Pior ainda é o modismo presente no processo educacional e que traz sérias preocupações, haja vista, a volatilidade desse modismo. 
Com o início do novo século há outros contextos, há um avanço tecnológico expressivo, há o surgimento de novas profissões.
Estamos vivendo numa sociedade intensiva de conhecimento e a escola tem de dar conta da aprendizagem daqueles que a freqüentam.
Este artigo analisa alguns aspectos do processo educacional, tais como: o ensino e a transmissão de conhecimento; ambientes de aprendizagem; mediação da aprendizagem; a motivação e o aluno, e a pedagogia de projetos nas escolas.

 

São levantados alguns problemas, para serem refletidos por aqueles que se preocupam com uma escola, na qual, os alunos vão porque gostam e não porque são obrigados.

 

 

 

1. O ensino e a Transmissão de Conhecimento

 

O século XXI será marcado pelo desenvolvimento da ciência e por descobertas que envolverão a humanidade. Esses fatos têm chamado a atenção da população mundial e têm gerado grande curiosidade nas pessoas. Há inclusive uma pressão por parte dos pais que procuram as escolas que possuem laboratórios e tecnologia para a aprendizagem de seus filhos. Pois a tecnologia está se tornando, a cada dia, uma marca do séc. XXI.

 

A partir disso, muito se tem falado das características que a ciência terá de ter na escola. Há propostas e programas, como o projeto 2061 (Science for All Americans), desenvolvido pela American Association for the Advancement of Science (1990), nos Estados Unidos, que tem por finalidade adequar as aulas de ciências nas escolas americanas às necessidades do séc. XXI. Têm sido desenvolvidas novas ferramentas para as aulas, com ênfase em simuladores que modificarão as aulas de laboratório, e redesenhado os currículos atuais. Essa preocupação está presente também nas universidades brasileiras que estão desenvolvendo projetos com escolas do ensino fundamental. Como exemplos, podem ser citadas a Universidade de São Paulo, com o projeto Escola do Futuro, Grupo de Ciências e Tecnologia (2001), e a Universidade Federal do Paraná, com o projeto de monitoramento do Ozônio na região de Curitiba (1998). Ambos projetos buscam colocar a tecnologia no processo de aprendizagem dos alunos, bem como reestruturar a maneira de oferecer as situações de aprendizagem aos alunos.

 

Por mais evidente que esteja a necessidade de a escola mudar a sua forma de atuar no aprendizado de seus alunos, há ainda instituições que acreditam que a melhor forma de os alunos aprenderem é através da transmissão de conhecimentos. Contudo, hoje, já se sabe que essa não garante que haja aprendizagem. O que tem ocorrido, na maioria das vezes, é a passividade, a geração de indisciplina, o confronto entre professor e aluno.

 

Quantas vezes os alunos ficam a reboque de um pensamento do professor cujos caminhos eles desconhecem, gerando, em vez de aprendizagem, sono, o que faz com que eles durmam e cheguem a sonhar que, em determinado momento, o professor irá percebê-los e parar para que eles possam retornar ao processo. O que ocorre, na seqüência, é a falsa idéia do professor de que os alunos não prestaram atenção no que ele falava. Ele não consegue perceber que houve interrupção na comunicação entre eles.

 

Outro fator é o pretenso ganho de tempo, pois poupa aos alunos esforços pessoais. Como diz COMPAYRÉ (apud NOT, 1998, p.17) sobre o papel do professor: "(...) em alguns minutos, resume o conteúdo de um livro; extrai dele as noções essenciais; põe em evidência uma ciência acabada."

 

O professor prefere ser o intermediário entre o aluno e as obras, ou entre o aluno e o real. Ao invés de facilitar a aprendizagem, gera uma grande confusão que, na maioria das vezes, não é desfeita por ele, havendo a necessidade de se recorrer a outra pessoa. O professor passa a ser um gerador de conflito, o que não seria um mal se fosse aproveitado no processo de aprendizagem de seus alunos.

 

Há também a intenção de se ganhar em segurança, ou seja, não se pode deixar ao aluno a iniciativa de seu aprendizado, pois ele pode se atolar em tentativas intermináveis, em impasses e erros. Quando os professores ensinam, eles pensam que transmitem conhecimentos seguros. Aqui há uma visível negação de que o erro faz parte da aprendizagem, evidentemente, ele tem de ser trabalhado e superado. O erro não deve ser evitado a todo custo, mas sim monitorado.

 

TORRE (apud TAPIA; FITA, 1999) compara algumas características de uma pedagogia do êxito (aqui vista como evitação do erro) com uma pedagogia do erro. veja o quadro 1.

 

Quadro 1 - Pedagogia do êxito x Pedagogia do erro

 

PEDAGOGIA DO ÊXITO

PEDAGOGIA DO ERRO

1. Consideração do erro
Desvio de norma.
Comportamento inadequado.
Elemento regressivo, prejudicial na aprendizagem.
Caráter de sanção, punitivo.
Evitação do erro.
Indicador de resultados não conseguidos.

2. Enfoque conceitual
Atende a resultados.
Predomínio de critério de eficácia.
Relação entre objetivo e produtos.
Origina pedagogia por objetivos.
Pesquisa eficácia no ensino-aprendizagem.

3. Papel do professor
Corrige e sanciona erros, equívocos.
Planeja ações que assegurem êxitos.
Dirige a aprendizagem.
Atitude rígida diante do plano inicial.
Avalia principalmente os conhecimentos.

4. Papel do Aluno
Atitude receptiva para com o plano.
Predomina o princípio da individualização.
Aprendizagem centrada em objetivos de conhecimento.

Desajuste entre o esperado e o obtido.
Elemento construtivo, inovador.
Condição concomitante com a aprendizagem.
Aceitação e análise do erro.
Diagnóstico.
Sintoma de processos de aprendizagem.

Atenção preferencial a processos. 
Predomínio de critério de eficiência.
Relação entre processo, meio, produto.
Origina pedagogia do processo.
Pesquisa processos cognitivos.

Diagnóstico por meio dos erros.
Apresenta situações de aprendizagem.
Orienta e guia a aprendizagem.
Atitude flexível diante do plano inicial.
Avalia também processos e estratégias.

 

Atitude participativa no plano de atividades.
Integra individualização e socialização.
Maior amplitude para a aprendizagem.

 

FONTE: TORRE (apud TAPIA; FITA, 1999)

 

As situações acima demarcam a importância do erro na aprendizagem dos alunos, e o erro constitui um dos fundamentos quando se trabalha com projetos, pois cada erro é uma forma de raciocínio e que precisa ser trabalhado e superado.

 

 

 

Não é só a transmissão que pode gerar desconforto ao professor e ao aluno, pode ser ainda mais complicado quando se quer transmitir conteúdos sem se levar em consideração o local onde estão inseridos os alunos, propiciando situações constran­gedoras, como é o caso descrito por MACHADO (1984, p.150) no interior do Amazonas.
- Que é isto, fugindo?
- Vou correndo pra casa. O tio que veio ensinar a fazer remo vai embora amanhã.
- Mas na escola também ensinam coisas importantes. Que estava ensinando o professor?
- Ele falava de um tal de Carlos Magno. Tchau estou com pressa.

 

O fato acima demonstra claramente que não é só a transmissão que pode gerar situações de confronto entre professor e aluno, mas o conteúdo transmitido também, quando a realidade de um local não é considerada. Isso não quer dizer que não se deva trabalhar cultura geral, no caso, com os alunos no interior do Amazonas.

Como afirma FREIRE (1975, p.65):
Conteúdos que são retalhos da realidade desconectados da totalidade em que se engendram e em cuja visão ganhariam significação. A palavra, nestas dissertações, se esvazia da dimensão concreta que devia ter ou se transforma em palavra oca, em verbosidade alienada e alienante. Daí que seja mais som que significação e, assim, melhor seria não dizê-la.

Paulo Freire deixa claro que a escolha dos conteúdos e a dinâmica desses, no processo de aprendizagem, podem ser fatores limitantes para que haja efetivamente reconstrução de conhecimento.

 

A metodologia expositiva se caracteriza pela apresentação sistematizada dos conteúdos pelo professor e repassada de forma linear aos alunos. Ela tem inspiração teórica na chamada concepção tradicional de educação, que por sua vez tem suas raízes na concepção clássica (antigüidade) ou escolástica (Idade Média).

 

VASCONCELOS (1995, p.21) afirma que o aluno recebe tudo pronto, não problematiza, não é solicitado a fazer relação com aquilo que já conhece ou a questionar a lógica interna do que está recebendo e acaba se acomodando. A prática tradicional é caracterizada pelo ensino "blá-blá-blante", salivante, sem sentido para o educando, meramente transmissora, passiva, a-crítica, desvinculada da realidade, descontextuada.

 

Como o aluno não questiona o professor e não questiona o seu próprio entendimento, não amplia ou reformula seus conhecimentos, limitando-se a memorizar a apresentação do professor. Com o educando geralmente preocupado apenas com a avaliação, a comunicação, se for possível defini-la assim, fica restrita ao interesse de conhecer como o professor vê a questão, sem a preocupação com a ampliação do próprio conhecimento, e sem condições de conectar o que aprendeu com outras situações da vida prática.

 

As elegantes sínteses, materializadas através das equações e enunciados, dão origem a um distanciamento entre professor e aluno. Como geralmente o aluno não tem condições de acompanhar e reproduzir todo o processo de reconstrução do conhecimento realizado pelo professor, costuma mistificar a sabedoria do mestre.

 

Para o professor com uma formação acadêmica linear e segmentada, é normal que tenda a reproduzir esses procedimentos, continuando a dar ênfase à memorização, e levando-o a perpetuar a postura de transmissor do conhecimento.

 

Crescentemente se constata que o mercado procura por profissionais experientes, com capacidade de ajustar-se a situações novas, colocando-se, em segundo plano, o diploma fornecido pelas entidades de ensino tradicionais.

 

MACHADO (1995) afirma que as características do mercado estão mudando. As crises, o crescimento lento e o mercado seletivo e minoritário geram nas empresas, a necessidade de melhorar a qualidade, reduzir gastos com a fabricação e a opção por uma estrutura leve, flexível e ágil, exigindo profissionais com capacidade de atender à contínua mudança nos produtos e nos processos.

 

A situação da educação não é um fato isolado neste processo. Toda sociedade está sofrendo bruscas transformações, refletidas na rápida obsolescência dos conhecimentos. A escola precisa ajustar-se às novas exigências. LÉVY (1999), referindo-se à velocidade da renovação do saber e do saber fazer, cita que, pela primeira vez na história da humanidade, a maior parte dos conhecimentos adquiridos por uma pessoa, no início de sua vida profissional, serão obsoletos ao final da sua carreira. Outra observação, estreitamente ligada à primeira, refere-se à nova natureza do trabalho. Cada vez mais trabalhar é aprender, transmitir (2) e produzir conhecimentos.

 

A formação de profissionais adaptados às bruscas transformações da sociedade exige que alunos e professores se ajustem à nova dinâmica. As metodologias utilizadas na escola precisam priorizar a reconstrução do conhecimento, pois é uma forma de dar ao aluno capacidade de se ajustar às características do mercado de trabalho atual.

 

 

 

2. Ambientes de Aprendizagem

 

Para que as mudanças ocorram nas escolas, é necessário que exista um ambiente de aprendizagem, onde o aluno possa reconstruir seus conhecimentos a partir da sua visão empírica. Para que isto seja possível, ele não pode mistificar o conhecimento do professor ou se considerar incapaz de trabalhar as informações contidas em um programa em hipermídia, em um experimento, em uma situação do seu dia-a-dia, ou ainda as tecnologias educacionais disponíveis.
Os ambientes de aprendizagem têm a sua importância, pois podem proporcionar situações de diferentes formas, o que se aproximaria da Teoria das Inteligências Múltiplas de GARDNER (1995). Esta demonstra que as pessoas são visivelmente diferentes, sobretudo têm cabeças diferentes. Não há duas exatamente com o mesmo tipo de cabeça, já que montamos nossas inteligências em configurações singulares. Todos temos o mesmo conjunto de inteligências num sentido, elas representam a herança intelectual de nossa espécie, mas não temos qualidades iguais nem perfis semelhantes. Algumas pessoas são fortes numa inteligência e deficientes em outras, e força numa inteligência não necessariamente supõe força ou deficiência em outras. Atualmente as inteligências propostas são: lingüística; lógico matemática; musical; físico-cinestésica; espacial; interpessoal; naturalista; espiritual e existencial (GARDNER, 2000).

 

De acordo com as idéias propostas, fica demonstrado que cada pessoa tem características próprias em relação à aprendizagem, portanto, aprendem de modos diferentes, fato reconhecido por LITTO (2001), quando afirma que não se pode querer que os estudantes se aprofundem em todas as matérias, pois isso iria contra as teorias de GARDNER (1995).

 

O que GARDNER (2000) deixa claro é que a Teoria das Inteligências Múltiplas pode ser trabalhada, nas escolas, com o objetivo de fazer os alunos alcançarem alguns papéis adultos valorizados ou estados acabados, ou seja, depende das características desejáveis, se alguém quiser pessoas que se envolvam em atividades artísticas, faz sentido desenvolver a inteligência musical para o compositor ou instrumentista, a lingüística para o poeta, a físico-cinestésica para o bailarino, a espacial para o escultor.

Nesse mesmo sentido vai LITTO (2001, p.1): 
Os ambientes de aprendizagem e de trabalho devem ser ricos em apoios tecnológicos de todos os tipos, porque tais apoios permitem formas de aquisição de conhecimentos mais ricos e mais eficazes do que as formas tradicionais.

É mister, pois, que os ambientes de aprendizagem sejam criados de tal modo, que permitam a ocorrência do erro, e que esse não seja punido, e que também não haja situações que criem ansiedade, como é o caso o do fracasso e da exclusão.

 

As atitudes dos alunos diante do êxito ou do fracasso influenciam diretamente sobre os sucessos reais. Trata-se, portanto, de criar um ambiente educativo que estimule nos alunos sentimentos de competência e controle pessoal que resultem em aprendizado.

 

DEMO (1997, p.17) defende essa idéia.
Transformar a sala de aula em local de trabalho conjunto, não de aula, é uma empreitada desafiadora, porque significa, desde de logo, não privilegiar o professor, mas o aluno, como querem as teorias modernas. Este deve poder se movimentar, comunicar-se, organizar seu trabalho, buscar formas diferentes de participação, a par de também precisar de silêncio, disciplina, atenção nos momentos adequados. Supõe ainda reorganizar o ritmo de trabalho, talvez não mais em aulas de 50 minutos, substituindo-as por um tempo maior que permita desenvolver tarefas mais participativas e profundas. Em vez de carteira individual, provavelmente seria melhor mesas redondas. Em vez do silêncio obsequioso, seria preferível o barulho de um grupo animado em realizar questionamentos reconstrutivos.

 

Fica claro que os ambientes de aprendizagem não podem ficar presos à disciplina imposta e ao silêncio, devem, portanto, permitir aos alunos fazer e refazer as tarefas até que estas sejam aceitáveis e assim o aluno possa perceber a sua progressão.

 

Os ambientes de aprendizagem são aqui considerados como uma estrutura composta por um espaço físico, por recursos, que podem ser materiais, naturais e tecnológicos junto com as pessoas, interagindo entre si, guiados por um método que visa à aprendizagem.

 

_________________
(1) Duglas wekerlin filho é professor da Universidade São Francisco – Bragança Paulista – SP, mestre em mídia e conhecimento, doutorando em educação: currículo – PUC-SP.

 

(2) Aqui não se recai em contradição, pois a transmissão de conhecimento acumulado é insumo indispensável, porém não pode ser considerado ponto final, mas precisamente como ponto orgânico de partida. A nova geração não tem como tarefa histórica apenas fazer o que a anterior fez, mas superá-la dentro do desafio do aprimoramento da competência, seja porque tem direito à individualidade, seja porque a história, por definição, pode ser sempre aperfeiçoada.

 

Referências

 

BALANCHO, M. J. S.; COELHO, F. M. Motivar os alunos, criatividade na relação pedagógica: conceitos e práticas. 2.ed. Porto, Portugal: Texto, 1996.
BARBIER, Jean-Marie. Elaboração de projectos de acção e planificação. Porto, Portugal: Porto, 1996.
BELLONI, Maria Antônia. O que é mídia-educação. Campinas: Autores Associados, 2001.
BERTOLINO FILHO, Jorge. Motivação. São Paulo: Alínea, 2000.
BIZZO, Nélio V. M. Ciências: fácil ou difícil. São Paulo: Ática, 1998.
BLANCHARD, Ken. O coração de um líder: reflexões sobre a arte de influenciar pessoas. Campinas: United Press, 1998.
BROWN, M.; EDELSON, D. C. A lab by any other name: Integrating tradicional labs and computer-support collaborative investigations in science classroons, 1999. Disponível em: http://www.worldwatcher.northwestern.edu/research.htm. Acesso em: 8 set. 2001.
CASTRO, Amelia Domingues de et al. Ensinar a ensinar. São Paulo: Pioneira, 2001.
CASTRO, Lisete Barbosa; RICARDO, Maria M. C. Gerir o trabalho de projeto: um manual para professores e formadores. 5.ed. Lisboa: Textos, 1998 
CELMA, Jules. Diário de um educastrador. São Paulo: Summus, 1979.
CHARPAK, Georges. As ciências na escola primária: uma proposta de acção. Portugal: Sintra, Editorial Inquérito, 1997.
DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. 2.ed. Campinas: Autores Associados, 1997.
DEMO, Pedro. Pesquisa e informação qualitativa: aportes metodológicos. Campinas, São Paulo: Papirus, 2001.
DREW, Walter F et al. Como motivar os seus alunos: actividades e métodos para responsabilizar os alunos. Lisboa: Plátano, 1989.
FIALHO, Francisco Antônio Pereira. Introdução à teoria da cognição. 1.ed. Florianópolis: Insular, 2001.
FONTANA, Roseli A. Cação. Mediação pedagógica na sala de aula. 3.ed. Campinas: Autores Associados, 2000.
FOURNIES, Ferndinand F. Como conseguir melhores desempenhos de seus empregados. São Paulo: Markon Books, 1992.
FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 3.ed. São Paulo: Moraes, 1980.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2000.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 3.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.
FROTA-PESSOA, Osvaldo et al. Como ensinar ciências. 5.ed. São Paulo: Nacional. 1985.
GADOTTI, Moacir. Pedagogia da terra. São Paulo: Peirópolis, 2000.
GARDNER, Howard. Estruturas da mente: a teoria da inteligências múltiplas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994. 
GARDNER, Howard. Inteligência um conceito reformado. Rio de janeiro: objetiva, 2000.
GARDNER, Howard. Inteligências múltiplas: a teoria na prática. Porto alegre: Artes Médicas, 1995.
GUTIERREZ, Francisco. Ecopedagogia e cidadania planetária. 2.ed. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2000.
HERSEY, Paul.; BLANCHARD, K. H. Psicologia para administradores: a teoria e as técnicas de liderança situacional. São Paulo: EPE, 1986.
HOFFMAN, Donald D. Inteligência visual: como criamos o que vemos. Rio de Janeiro: Campus, 2001.
KILLPATRICK, W. H. The project method. In: Teachers College Bulletin, New York: p.3-18.
KNOLL, Michael. The project method: its vocational education origin and international devepopment. Journal of Industrial Teacher Education, EUA: Bayreuth, v.34, n.3, 1997.
KONDO, Yoshio. Motivação humana: um fator chave para o gerenciamento. Tradução de Dario Ikuo Miyake. São Paulo: Gente, 1994.
KRASILCHIK, Myriam. Prática de ensino de biologia. 3.ed. São Paulo: Harbra, 1996.
LÉVY, Pierre. A conexão planetária: o mercado, o ciberespaço, a consciência. São Paulo: Ed. 34, 2001.
LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed.34, 1999.
LITTO, F. Aprendizagem profunda e aprendizagem de superfície. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2001. 
LITTO, F. Indicadores de uma escola moderna... um checklist. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2001. 
LÜDKE, Menga & ANDRÉ, Marli. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.
MACHADO, L.R.S. A educação e os desafios das novas tecnologias. Rev. TB, Rio de Janeiro, jan-mar, 1995.
MACHADO, Nílson José. Educação: projetos e valores. São Paulo: Escrituras, 2000.
MACHADO, Nílson José. Epistemologia e didática: as concepções de conhecimento e inteligência e a prática docente. São Paulo: Cortez, 1995.
MACHADO, Paulo de Almeida. Ecologia humana. São Paulo: Autores Associados, 1984.
MALHADAS, Zióli Zanotto. A qualidade do ar. Curitiba: UFPR, 1998.
McCLANAHAN, Elaine. A força do futuro: crianças que querem, podem e fazem. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1996.
MINAYO, M. C. S.; SANCHES, O. Quantitativo-Qualitativo: oposição e complementaridade? Cadernos de Saúde Pública, Rio de janeiro v.9,n.3, p.239-262, 1993.
MORAN, José M.; MASETTO, Marcos T.; BEHRENS, Marilda Aparecida. Novas tecnologias e a mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000.
NIQUINI, Débora P. O grupo cooperativo: uma metodologia de ensino. Brasília: Universa, 1997.
NOGUEIRA, Nilbo R. Pedagogia dos projetos. São Paulo: érica, 2001.
NOT, Louis. As pedagogias do conhecimento. São Paulo: DIFEL, 1981.
NOT, Louis. Ensinando a aprender: elementos de psicodidática geral. São Paulo: 
Summus, 1993.
NOT, Louis. Ensino interlocucional: para uma educação na segunda pessoa. Lisboa, Portugal: Instituto Piaget, 1998. 
PIAGET, Jean. A representação do espaço na criança. Porto Alegre: Artes Médicas,1993. 
POSTMAN, Neil. Tecnopólio: a rendição da cultura à tecnologia. São Paulo: Nobel, 1994.
Science for all americans. Project 2061. New York: Oxford University Press, 1990.
SHMERLING, A et al. Qualitative research in medical pratice. The Medical Journal of Australia, v.158, p.619-625, 1993.
TAPIA, Jesús A.; FITA, Enrique C. A motivação em sala de aula: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 1999.
TAPSCOTT, Don. Geração digital: a crescente e irreversível ascenção da geração net. São Paulo, Makron Books, 1999. 
TEIXEIRA, Evilázio. A educação do homem segundo platão. São Paulo: Paulus, 1999.
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Escola do futuro. Disponível em: . Acesso em: 2 de setembro de 2001. 
VASCONCELOS. C. S. Construção do conhecimento em sala de aula. São Paulo: Libertad, 1995.
VIEIRA, Sonia. Como escrever uma tese. 5.ed. São Paulo: Pioneira, 1999.
WERTHEIN, Jorge; CUNHA, Célio. Fundamentos da nova educação. Brasília: 
UNESCO, 2000.
WOOLFOLK, Anita E. Psicologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

Categoria: Texto Acadêmico

voltar para Colaboração do Leitor

show fwR center tsY|tsN uppercase fwB fsI center|show fwB uppercase fsI left|bnull|||news fwB tsN fwR tsY c05|normalcase fwR fsN sbss c15sw sbse|b01 c05 bsd|login news sbse c10sw fsN|tsN normalcase fwR fsI c15 b01 bsd|signup c05|content-inner||