COMO ELABORAR UM CURRÍCULO PARA DOCENTE.

PUBLICADO POR CONTEÚDO ESCOLA - ESCRITO POR GERSON BELUCI, RAFAEL ANNUNCIATO NETO E SALVADOR FITTIPALDI EM 09/03/2005 ÀS 10H27

O OBJETIVO DO ARTIGO É CRIAR UM REFERENCIAL DOS TÓPICOS QUE DEVEM SER CONSIDERADOS NA ELABORAÇÃO DE UM CURRÍCULO.

O RESUMO DA VIDA PROFISSIONAL DEVE APRESENTAR AS INFORMAÇÕES MAIS RECENTES EM PRIMEIRO LUGAR, CONSIDERANDO OS DADOS ACADÊMICOS EM PRIMEIRO PLANO E PROFISSIONAIS EM SEGUNDO PLANO, DESDE QUE SEJAM COMPATÍVEIS COM A DISCIPLINA A SER MINISTRADA.

COLOQUE-SE NA SITUAÇÃO DO COORDENADOR DO CURSO QUE RECEBE UMA GRANDE QUANTIDADE DE CURRÍCULOS.

CONSIDERE A QUANTIDADE DE PESSOAS DISPONÍVEIS NO MERCADO DE TRABALHO QUE DESEJAM DAR AULAS.

O OBJETIVO DO CURRÍCULO É GERAR A ENTREVISTA, VENDER AS QUALIFICAÇÕES ACADÊMICAS DO DOCENTE.

O RESUMO DA VIDA PROFISSIONAL DEVE APRESENTAR AS INFORMAÇÕES MAIS RECENTES EM PRIMEIRO LUGAR, CONSIDERANDO OS DADOS ACADÊMICOS EM PRIMEIRO PLANO E PROFISSIONAIS EM SEGUNDO PLANO, DESDE QUE SEJAM COMPATÍVEIS COM A DISCIPLINA A SER MINISTRADA.
 

  • EVITAR ERROS DE DIGITAÇÃO E DE PORTUGUÊS (ORTOGRAFIA, CONCORDÂNCIA E ACENTUAÇÃO);

  • NÃO SER PROLIXO, POIS QUEM ESTIVER SELECIONANDO NÃO PODE PERDER TEMPO;

  • ELIMINAR TODA REDUNDÂNCIA NA REDAÇÃO, ISTO É, UTILIZAR FRASES SIMPLES E DIRETAS;

  • OMITIR A INFORMAÇÃO QUANDO A MESMA NÃO FOR POSITIVA OU NÃO TIVER RELAÇÃO COM O CARGO DE DOCENTE;


OS ERROS MENCIONADOS ANTERIORMENTE SÃO IMPERDOÁVEIS EM UM CURRÍCULO DE PROFESSOR. 

NA COMPOSIÇÃO DO CURRÍCULO, DEVERÁ CONSTAR: 

DADOS PESSOAIS: NOME, ENDEREÇO COMPLETO, TELEFONE DE CONTATO, ESTADO CIVIL, NACIONALIDADE E IDADE. 

OBJETIVO: CARGO DE PROFESSOR 
ESPECIFICAR O NÍVEL DE ENSINO: PÓS-GRADUAÇÃO, GRADUAÇÃO, ENSINO MÉDIO, TÉCNICO OU FUNDAMENTAL E QUAIS AS DISCIPLINAS ESTÁ APTO A LECIONAR.

IMPORTANTE: EXISTEM CURRÍCULOS DE COMPANHEIROS NOS QUAIS É NECESSÁRIO "ADVINHAR" OU LER ATÉ O FINAL PARA ENTÃO TENTAR DESCOBRIR QUAL DISCIPLINA O PROFESSOR DESEJA LECIONAR.

FORMAÇÃO ACADÊMICA: CURSO E NOME DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO, DEFINIR SE ESTÁ CURSANDO PÓS-GRADUAÇÃO, COLOCAR PERÍODO QUE ESTÁ CURSANDO, PREVISÃO DE CONCLUSÃO DO MESTRADO OU DOUTORADO. 

RESUMO DAS QUALIFICAÇÕES DESCREVER E QUANTIFICAR AS REALIZAÇÕES PROFISSIONAIS. SUGERIMOS PRIORIZAR OS DADOS DE PRODUÇÃO ACADÊMICA (TESE, DISSERTAÇÃO), PESQUISAS REALIZADAS, PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA (ARTIGOS, TEXTOS EM JORNAL OU REVISTA, LIVROS PUBLICADOS OU NO PRELO), PRÊMIOS E TÍTULOS RECEBIDOS, PRODUÇÃO TÉCNICA (SOFTWARE, PRODUTOS, PRODUÇÃO ARTÍSTICA, PRODUÇÃO CULTURAL), PARTICIPAÇÃO EM CONGRESSOS, SIMPÓSIOS, BANCA EXAMINADORA OU ORIENTADOR DE TRABALHOS ACADÊMICOS.

IDIOMAS: LÍNGUA, NÍVEL E TEMPO DE DOMÍNIO, NOME DA ESCOLA. NESTA OPORTUNIDADE PODEM SER SALIENTADAS AS VIAGENS AO EXTERIOR PARA PARTICIPAÇÃO DE CONGRESSOS, SIMPÓSIOS, SEMINÁRIOS CIENTÍFICOS. 

CURSOS EXTRACURRICULARES: É NESTE TÓPICO QUE O PROFESSOR TRANSMITE SEU GRAU DE ATUALIZAÇÃO E O INVESTIMENTO PESSOAL EM SUA CARREIRA. AS UNIVERSIDADES, CENTROS UNIVERSITÁRIOS E FACULDADES PROCURAM PROFISSIONAIS QUE CONTINUAMENTE ESTÃO EM DESENVOLVIMENTO. 
 

  • NOME DO CURSO

  • INSTITUIÇÃO

  • PERÍODO

  • CARGA HORÁRIA


SUGERIMOS TAMBÉM APRESENTAR CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO, PALESTRAS CONGRESSOS E SEMINÁRIOS. 

NOTA: FAZER EM TÓPICOS MENCIONANDO A QUALIDADE DA PARTICIPAÇÃO, SE MINISTROU OU SE FOI OUVINTE. 

HISTÓRICO PROFISSIONAL: DEVERÃO SER RELACIONADOS OS MAIS IMPORTANTES OU OS TRÊS ÚLTIMOS EMPREGOS. DEVE-SE MENCIONAR EM PRIMEIRO LUGAR O ÚLTIMO EMPREGO OU O ATUAL E EM SEGUIDA OS DEMAIS. EVIDENTEMENTE, O DESTAQUE DEVE SER O ACADÊMICO, MESMO POR QUE O CURRÍCULO É DE PROFESSOR. 

RECOMENDAMOS CITAR AQUELES EMPREGOS CUJOS CARGOS ESTÃO RELACIONADOS COM A DISCIPLINA A SER MINISTRADA. 

DEVERÁ CONSTAR TAMBÉM O CARGO INICIAL E ÚLTIMO, POIS COM ISSO É POSSÍVEL ACOMPANHAR A ASCENSÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL. 

PRETENSÃO SALARIAL: SÓ COLOQUE A PRETENSÃO SALARIAL SE FOR SOLICITADO NO ANÚNCIO. EM MUITOS CASOS, A DECISÃO PODE SER EM FUNÇÃO DO DESAFIO, DAS PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO OU ATÉ MESMO PELOS BENEFÍCIOS. 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A QUALIDADE DA IMPRESSÃO E DO PAPEL SÃO PONTOS IMPORTANTÍSSIMOS NA VENDA DA PRIMEIRA IMAGEM, POIS REVELA A APRESENTAÇÃO. O TIPO DE PAPEL DEVE SER O MELHOR POSSÍVEL, E DEVE SER COMPATÍVEL COM O TIPO DE IMPRESSÃO. É ACONSELHÁVEL ENVIAR SOMENTE ORIGINAL. PORÉM, SE NÃO FOR POSSÍVEL, VOCÊ DEVERÁ TOMAR ALGUNS CUIDADOS BÁSICOS COM RELAÇÃO À CÓPIA. DEVERÁ ESTAR BEM LEGÍVEL, NUNCA COM LETRAS APAGADAS OU MESMO CLARAS DEMAIS, O QUE DIFICULTA A LEITURA. A DIAGRAMAÇÃO DEVE SER AGRADÁVEL E COM EQUILÍBRIO NO TAMANHO DAS LETRAS E NO NEGRITO. DEVE-SE APROVEITAR A DIAGRAMAÇÃO NA HORIZONTAL, CONSIDERANDO:
 

  • MARGEM PARA ARQUIVAMENTO;

  • COMUNICAÇÃO VISUAL (SEM EXCESSOS);

  • TAMANHO DA LETRA (UTILIZAR DOIS TIPOS DE LETRAS);

  • NEGRITO (SOMENTE NOS DADOS MUITO IMPORTANTE);

  • CAIXA ALTA – MAIÚSCULAS (SOMENTE NOS TÓPICOS).


A EXPERIÊNCIA NOS ENSINA QUE SOMENTE O DOCENTE DEVE FAZER SUA OPÇÃO DE ESCOLHA DA DISCIPLINA, POIS O PROFISSIONAL DO ENSINO SE IMPÕE PELO CONHECIMENTO. 

* GERSON BELUCI – ENGENHEIRO, ADMINISTRADOR, PÓS-GRADUADO, PROFESSOR UNIVERSITÁRIO E CONSULTOR DE GESTÃO.

*RAFAEL ANNUNCIATO NETO – PEDAGOGO, MESTRANDO, PROFESSOR UNIVERSITÁRIO E CONSULTOR DE RECURSOS HUMANOS.

*SALVADOR FITTIPALDI – ADMINISTRADOR, MESTRE EM ADMINISTRAÇÃO, PROFESSOR UNIVERSITÁRIO E COORDENADOR NA USJT.

O PROFESSOR COMO PROFISSIONAL REFLEXIVO.

PUBLICADO POR CONTEÚDOESCOLA - ESCRITO POR DINÉIA HYPOLITTO EM 22/07/2004 ÀS 09H53

TEXTO ESCRITO PELA LEITORA DINÉIA HYPOLITTO, RESSALTANDO A NECESSIDADE DE CONTÍNUA REFLEXÃO, POR PARTE DO PROFESSOR, SOBRE SUAS PRÁTICAS DE ENSINO.

 

PENSAR É COMEÇAR A MUDAR. TODO SER, PORQUE É IMPERFEITO, É PASSÍVEL DE MUDANÇA, PROGRESSO, APERFEIÇOAMENTO. E ISSO SÓ É POSSÍVEL A PARTIR DE UMA REFLEXÃO SOBRE SI MESMO E SUAS AÇÕES. A AVALIAÇÃO DA PRÁTICA LEVA A DESCOBRIR FALHAS E POSSIBILIDADES DE MELHORIA. QUEM NÃO REFLETE SOBRE O QUE FAZ ACOMODA-SE, REPETE ERROS E NÃO SE MOSTRA PROFISSIONAL.

 

NO CASO DO PROFESSOR, ISSO ASSUME CONOTAÇÃO MAIS GRAVE. ELE LIDA COM GENTE, CRIANÇAS E JOVENS QUE PODEM SER AFETADOS POR UMA CONDUTA INADEQUADA E CONCEITOS ERRÔNEOS. O PROFESSOR PRÁTICO REFLEXIVO NUNCA SE SATISFAZ COM SUA PRÁTICA, JAMAIS A JULGA PERFEITA, CONCLUÍDA, SEM POSSIBILIDADE DE APRIMORAMENTO. ESTÁ SEMPRE EM CONTATO COM OUTROS PROFISSIONAIS, LÊ, OBSERVA, ANALISA PARA ATENDER SEMPRE MELHOR AO ALUNO, SUJEITO E OBJETO DE SUA AÇÃO DOCENTE. SE ISSO SEMPRE FOI VERDADE E EXIGÊNCIA, HOJE, MAIS DO QUE NUNCA, NÃO ATUALIZAR-SE É ESTAGNAR E RETROCEDER.

 

A VELOCIDADE DAS MUDANÇAS, AS EXIGÊNCIAS DA TECNOLOGIA E DO MERCADO DE TRABALHO SÃO TANTAS E TÃO RÁPIDAS QUE O PROFISSIONAL PODE SER PEGO DE SURPRESA EM SUA PRÁTICA COTIDIANA. NOTÍCIAS, FATOS, MUDANÇAS PODEM CHEGAR À SALA DE AULA PELA BOCA DOS ALUNOS, SEM QUE O PROFESSOR TOME CONHECIMENTO. QUANTAS VEZES, EM ALGUNS CASOS, O ALUNO SUPERA O PROFESSOR! ESTÁ MELHOR INFORMADO, CONHECE PALAVRAS E EXPRESSÕES MODERNAS, SABE DO ÚLTIMO FATO SOCIAL OU POLÍTICO, NÃO APRESENTA MAIS CERTOS COSTUMES E EXIGÊNCIAS.

 

O PROFESSOR, FECHADO EM SI MESMO E CONFINADO À SALA DE AULA, ÀS VEZES, NÃO PERCEBE O MUNDO LÁ FORA. NÃO TEM TEMPO OU CONDIÇÕES DE ACOMPANHAR. DAÍ, QUANDO FALA AO ALUNO, ESTE NÃO ENTENDE, MOSTRA-SE ALHEIO E DESINTERESSADO DIANTE DE UMA LINGUAGEM ESQUISITA E ARCAICA.

 

PARA COBRIR ESSA LACUNA E DISTÂNCIA ENTRE ALUNO E PROFESSOR, SÓ MESMO A REFLEXÃO: O QUE FAÇO, O QUE DIGO TEM RESSONÂNCIA, SIGNIFICADO, IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO? "REFLETIR SOBRE O PRÓPRIO ENSINO EXIGE ESPÍRITO ABERTO, RESPONSABILIDADE E SINCERIDADE" (ZEICHNER, 1993:17).

 

 

QUEM NÃO REFLETE EM SUA PRÁTICA FRUSTRA-SE AUMENTA SEMPRE MAIS O DISTANCIAMENTO COM O ALUNO. EMBORA NÃO SAIBA EXPRESSÁ-LO, O ALUNO VIVE EM UM MUNDO TODO SEU, DE SUA IDADE E GOSTO: ROUPAS, MÚSICAS, MODAS, LINGUAJAR, CONCEITOS E PRÁTICAS DIFERENTES E ATÉ OPOSTAS ÀS DO MUNDO EM QUE O PROFESSOR VIVE E SE FORMOU. SENÃO HOUVER ENCONTRO, CONHECIMENTO, DISCUSSÃO, O PROFESSOR SE VERÁ FALANDO ÀS CARTEIRAS, SEM OUVINTES QUE SE INTERESSEM OU ENTENDAM. "AS PRÁTICAS DESENVOLVIDAS SUGEREM QUE OS FORMANDOS DEVEM SER OUVIDOS. NINGUÉM CONHECE MELHOR OS PROBLEMAS E AS SOLUÇÕES ALTERNATIVAS DO QUE AQUELES QUE OS EXPERIMENTAM". (ESTEVES, 1993:21).

 

A REFLEXÃO LEVA A REPENSAR O CURRÍCULO, A METODOLOGIA, OS OBJETIVOS: QUEM É O ALUNO QUE ESTÁ A MINHA FRENTE, QUE QUER, DE QUE PRECISA, O QUE ENTENDE, QUAL A LINGUAGEM ADEQUADA PARA DIALOGAR COM ELE.

 

SE O PROFESSOR DÁ-SE CONTA DE QUE NÃO ESTÁ SENDO ENTENDIDO, CUMPRE-LHE INVESTIGAR POR QUE E PROCEDER ÀS MUDANÇAS NECESSÁRIAS. O ALUNO NÃO VAI MUDAR: É FRUTO DE SEU TEMPO, TEM SUAS CARACTERÍSTICAS E NECESSIDADES. O PROFESSOR É QUE TERÁ QUE ENTENDÊ-LO PARA EDUCÁ-LO EFICAZMENTE. "CADA UM DEVE RESPONSABILIZAR-SE PELO SEU PRÓPRIO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL... A UNIVERSIDADE PODE, QUANDO MUITO, PREPARAR O PROFESSOR PARA COMEÇAR A ENSINAR." (ZEICHNER, 1993:17).

 

UMA DAS BASES DA EDUCAÇÃO É O DIÁLOGO E, NO CASO, SABER OUVIR. OUVIR O ALUNO, DEIXÁ-LO EXPRESSAR O QUE SENTE, PENSA, QUER JÁ É UM GRANDE PASSO PARA ENTENDÊ-LO E ORIENTAR OU REORIENTAR A AÇÃO PEDAGÓGICA.

 

O SAUDOSISMO, O DESEJO DA VOLTA A UM MUNDO EM QUE NÃO HAVIA CONTESTAÇÃO, O PROFESSOR TINHA STATUS E ERA O CENTRO DA SALA DE AULA, DITANDO NORMAS, PONTOS E CONCEITOS, NÃO SE COADUNAM COM O PROFESSOR REFLEXIVO, HOMEM DE SEU TEMPO, DE PASSO ACERTADO COM A EVOLUÇÃO QUE CONTINUA. VASCONCELLOS (1995:67) NOS EXPLICA QUE: "O ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA, COLETIVA E CONSTANTE SOBRE A PRÁTICA É ESSENCIAL PARA UM TRABALHO QUE SE QUER TRANSFORMADOR".

 

PARA SE CHEGAR A UM ALUNO CRÍTICO, OBSERVADOR, QUESTIONADOR, EXIGENTE, QUE COBRA QUALIDADE, QUE PRECISA SER FORMADO CIDADÃO, SÓ MESMO UM PROFESSOR, ELE TAMBÉM, CRÍTICO DE SUA AÇÃO E SEMPRE PRONTO A QUESTIONAR-SE PARA PROGREDIR. VASCONCELLOS (1995:56) DESCREVE A POSTURA DO EDUCADOR:

 

CONHECER, ACOLHER CRITICAMENTE, BUSCAR O APROFUNDAMENTO DA PROPOSTA DA ESCOLA; PROCURAR UNIDADE DE AÇÃO COM COLEGAS; POSTURA DE INVESTIGAÇÃO EM RELAÇÃO À SUA DISCIPLINA; ABERTURA; NÃO QUERER SER O DONO DA VERDADE; SER OBSERVADOR; SABER OUVIR; CONFIAR NOS COMPANHEIROS; DISPONIBILIDADE PARA APRENDER; DESENVOLVER A POSTURA INTERDISCIPLINAR.

 

 

INFELIZMENTE, O ALUNO APÁTICO E PASSIVO É FILHO DO PROFESSOR. ESTE TAMBÉM, EM MUITOS CASOS, TEM SE LIMITADO A PASSAR CONTEÚDOS, IDÉIAS, CONCEITOS E NORMAS, SEM QUESTIONÁ-LOS NEM VIVENCIÁ-LOS E, MESMO, SEM ENTENDER O PORQUÊ DE SUA EXISTÊNCIA. REPETE-OS, PASSA PARA A FRENTE PORQUE ASSIM OS RECEBEU, ESTÃO NO LIVRO DIDÁTICO, NÃO QUESTIONA SUA ATUALIDADE E CONVENIÊNCIA. SE FORAM ÚTEIS PARA UMA ÉPOCA, NÃO SIGNIFICA QUE NÃO PODEM SER MUDADOS. O PROFESSOR SENTE "DIFICULDADE EM NADAR CONTRA A CORRENTE (CONFLITO DE VALORES, VISÕES DE MUNDO)..., INSEGURANÇA, RECEIO DE MUDAR, MEDO DO NOVO" (VASCONCELLOS, 1995:19).

 

A AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DO PROFESSOR DEVE ENVOLVER TAMBÉM O ALUNO. ATRAVÉS DE QUESTIONÁRIOS ABERTOS E LIVRES, SEM MEDO DE OUVIR A VERDADE; POR MEIO DO DIÁLOGO COM A CLASSE, PERMITINDO AO ALUNO EXPOR SUAS DÚVIDAS CRÍTICAS E PROPOSTAS; DA OBSERVAÇÃO DA POSTURA E REAÇÃO DOS ALUNOS EM CLASSE E DOS RESULTADOS DAS AVALIAÇÕES; DA LEITURA E REFLEXÃO DE BONS AUTORES QUE DISCUTEM METODOLOGIA, PRINCÍPIOS E FINS DA EDUCAÇÃO; DA CONVERSA E DISCUSSÃO COM OS COLEGAS, ENFIM, O PROFESSOR PRÁTICO REFLEXIVO DEVE ESTAR ABERTO A QUAISQUER SUGESTÕES E CRÍTICAS QUE O AJUDEM A REPENSAR-SE COMO PROFISSIONAL A FIM DE REFORMULAR E MELHORAR A SUA PRÁTICA.

(1)DINÉIA HYPOLITTO – PROFESSORA DE PRÁTICA DE ENSINO E COORDENADORA DE ESTÁGIO DA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU (USJT) – SP. MESTRE EM EDUCAÇÃO PELO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E CURRÍCULO DA PUC-SP. SUPERVISORA APOSENTADA DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ESTEVES, MANUELA & RODRIGUES, ANGELA. ANÁLISE DAS NECESSIDADES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES.PORTO EDITORA, 1993.

 

VASCONCELLOS, CELSO DOS SANTOS. PARA ONDE VAI O PROFESSOR? RESGATE DO PROFESSOR COMO SUJEITO DE TRANSFORMAÇÃO. SÃO PAULO: LIBERTAD, 1995. (COLEÇÃO SUBSÍDIOS PEDAGÓGICOS DO LIBERTAD; V. L).

 

_______. CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO EM SALA DE AULA. SÃO PAULO: LIBERTAD, 1995 (CADERNOS PEDAGÓGICOS DE LIBERTAÇÃO).

 

ZEICHNER, KENNETH M. A FORMAÇÃO REFLEXIVA DE PROFESSORES: IDÉIAS E PRÁTICAS. LISBOA: EDUCA, 1993.

 

(1)DINÉIA HYPOLITTO – PROFESSORA DE PRÁTICA DE ENSINO E COORDENADORA DE ESTÁGIO DA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU (USJT) – SP.

 

MESTRE EM EDUCAÇÃO PELO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E CURRÍCULO DA PUC-SP.

 

SUPERVISORA APOSENTADA DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO.