PUBLICADO POR CONTEÚDO ESCOLA EM 20/01/2006 ÀS 11H27

A PRESENTE OBRA DIVIDE-SE EM SETE CAPÍTULOS, ONDE CONTA À HISTÓRIA DE UMA ÁGUIA CRIADA COMO UMA GALINHA. ESSA HISTÓRIA É COMPREENDIDA COMO UMA METÁFORA DA CONDIÇÃO HUMANA. CADA UM PODERÁ LÊ-LA E INTERPRETÁ-LA CONFORME O CHÃO QUE OS SEUS PÉS PISAM. ESSA OBRA SUGERE CAMINHOS, MOSTRA UMA DIREÇÃO E PROJETA UM SONHO PROMISSOR.



O AUTOR LEONARDO BOFF, EM 1938, FORMOU-SE EM TEOLOGIA E FILOSOFIA NO BRASIL E NA ALEMANHA. DURANTE MAIS DE VINTE ANOS FOI PROFESSOR DE TEOLOGIA SISTEMÁTICA NO INSTITUTO TEOLÓGICO FRANCISCANO DE PETRÓPOLIS. POR VÁRIOS ANOS ESTEVE À FRENTE DO EDITORIAL RELIGIOSO DA EDITORA VOZES. JUNTO COM OUTROS AJUDOU A FORMULAR A TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO, QUE POR CAUSA DESTA TEVE CONFLITOS COM A IGREJA CATÓLICA, SENDO PROIBIDO DE DAR AULAS POR UM DETERMINADO PERÍODO E A FAZER UM ANO DE SILÊNCIO. MAIS TARDE FOI PROFESSOR DE ÉTICA E FILOSOFIA DA RELIGIÃO NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. É AUTOR DE MAIS DE SESSENTA LIVROS LIGADOS À TEOLOGIA, À FILOSOFIA, À ESPIRITUALIDADE E À ECOLOGIA, EM SUA GRANDE MAIORIA PUBLICADOS PELA EDITORA VOZES. É MEMBRO DA COMISSÃO DA CARTA DA TERRA. EM 2002, EM RAZÃO DE SEU COMPROMISSO COM O DIREITO DOS POBRES, GANHOU O PRÊMIO NOBEL ALTERNATIVO PARA A PAZ.

AO LER A OBRA VOCÊ VAI SE CONFRONTAR COM DUAS DIMENSÕES FUNDAMENTAIS DA EXISTÊNCIA HUMANA: A DIMENSÃO DO ENRAIZAMENTO, DO COTIDIANO, DO LIMITADO, QUE SERIA O SÍMBOLO DA GALINHA E A DIMENSÃO DA ABERTURA, DO DESEJO, DO ILIMITADO, O QUAL SEJA O SÍMBOLO DA ÁGUIA. A PARTIR DISSO O AUTOR NOS QUESTIONA EM COMO EQUILIBRAR ESSAS DUAS DIMENSÕES. E COMO IMPEDIR QUE A CULTURA DA HOMOGENEIZAÇÃO AFOGUE A ÁGUIA DENTRO DE NÓS E NOS IMPEÇA DE VOAR.

PARA DAR UMA RESPOSTA CONVINCENTE A ESSES DESAFIOS, O AUTOR VISITA A MODERNA COSMOLOGIA, A NOVA ANTROPOLOGIA, A PSICOLOGIA PROFUNDA, A ECOLOGIA, A ESPIRITUALIDADE E A MÍSTICA. O RESULTADO É UMA REFLEXÃO INSTIGANTE QUE PROVOCA ENTUSIASMO NA BUSCA DA IDENTIDADE HUMANA ATRAVÉS DA INCLUSÃO DAS CONTRADIÇÕES E DA SUPERAÇÃO DOS EVENTUAIS OBSTÁCULOS A NÍVEL PESSOAL, SOCIAL E PLANETÁRIO.

A HISTÓRIA DA ÁGUIA E A GALINHA EVOCA DIMENSÕES PROFUNDAS DO ESPÍRITO, INDISPENSÁVEIS PARA O PROCESSO DE REALIZAÇÃO HUMANA: O SENTIMENTO DA AUTO-ESTIMA, A CAPACIDADE DE DAR A VOLTA POR CIMA NAS DIFICULDADES QUASE INSUPERÁVEIS, A CRIATIVIDADE DIANTE DE SITUAÇÕES DE OPRESSÃO COLETIVA QUE AMEAÇAM O HORIZONTE DA ESPERANÇA.

MAS NÃO PODEMOS NOS LIMITAR A SERMOS SOMENTE GALINHA OU SOMENTE ÁGUIA. COMO GALINHAS SOMOS SERES CONCRETOS E HISTÓRICOS, MAS JAMAIS DEVEMOS ESQUECER NOSSA ABERTURA INFINITA, NOSSA PAIXÃO INDOMÁVEL, NOSSO PROJETO INFINITO, NOSSA DIMENSÃO ÁGUIA. SE NÃO BUSCARMOS O IMPOSSÍVEL (A ÁGUIA) JAMAIS CONSEGUIREMOS O POSSÍVEL (A GALINHA).

CADA SER HUMANO TEM UMA ESTRUTURA BÁSICA QUE SE MANIFESTA MAIS COMO A ÁGUIA EM ALGUNS, MAIS COMO A GALINHA EM OUTROS. CADA UM PRECISA ESCUTAR ESSA NATUREZA INTERIOR, CAPTAR A ÁGUIA QUE SE ANUNCIA OU A GALINHA QUE EMERGE. APÓS ESCUTÁ-LAS, IMPORTA USAR A RAZÃO PARA VER CLARO E O CORAÇÃO PARA DECIDIR COM INTEIREZA. SOMENTE ASSIM SE CONQUISTARÁ A PROMESSA DE UM EQUILÍBRIO DINÂMICO.

A HISTÓRIA DA ÁGUIA E DA GALINHA NOS EVOCA O PROCESSO DE PERSONALIZAÇÃO PELO QUAL TODO SER HUMANO PASSA. NÃO RECEBEMOS A EXISTÊNCIA PRONTA. DEVEMOS CONSTRUÍ-LA PROGRESSIVAMENTE. HÁ UMA LARGA TRADIÇÃO TRANSCULTURAL QUE REPRESENTA A CAMINHADA DO SER HUMANO, HOMEM E MULHER, COMO UMA VIAGEM E UMA AVENTURA NA DIREÇÃO DA PRÓPRIA IDENTIDADE.

RECUSAMO-NOS A SER SOMENTE GALINHAS. QUEIRAMOS SER TAMBÉM ÁGUIAS QUE GANHAM ALTURA E QUE PROJETAM VISÕES PARA ALÉM DO GALINHEIRO. ACOLHEMOS PRAZEROSAMENTE NOSSAS RAÍZES (GALINHA), MAS NÃO À CUSTA DA COPA (ÁGUIA) QUE MEDIANTE SUAS FOLHAS ENTRA EM CONTATO COM O SOL, A CHUVA, O AR E O INTEIRO UNIVERSO. QUEREMOS RESGATAR NOSSO SER DE ÁGUIAS. AS ÁGUIAS NÃO DESPREZAM A TERRA, POIS NELA ENCONTRAM SEU ALIMENTO. MAS NÃO SÃO FEITAS PARA ANDAR NA TERRA, SENÃO PARA VOAR NOS CÉUS, MEDINDO-SE COM OS PICOS DAS MONTANHAS E COM OS VENTOS MAIS FORTES.

HOJE, NO PROCESSO DE MUNDIALIZAÇÃO HOMOGENEIZADORA, IMPORTA DARMOS ASAS À ÁGUIA QUE SE ESCONDE EM CADA UM DE NÓS. SÓ ENTÃO ENCONTRAREMOS O EQUILÍBRIO. A ÁGUIA COMPREENDERÁ A GALINHA E A GALINHA SE ASSOCIARÁ AO VÔO DA ÁGUIA.

AO FINAL DO LIVRO, O AUTOR APRESENTA A BIBLIOGRAFIA DE ALGUNS TÍTULOS EM PORTUGUÊS QUE AJUDARÃO O LEITOR NO APROFUNDAMENTO DA METÁFORA DA ÁGUIA E DA GALINHA, ENTRE ELES; BARRÈRE, MARTINE. TERRA. PATRIMÔNIO COMUM. SÃO PAULO, NOBEL, 1995; BOFF, LEONARDO. ECOLOGIA: GRITO DA TERRA, GRITO DOS POBRES. SÃO PAULO, ÁTICA, 1995; BONAVENTURE, LEON. PSICOLOGIA E MÍSTICA. PETRÓPOLIS, VOZES, 1978; E OUTROS.
A OBRA NOS TRAZ UMA COMPREENSÃO DE QUE CADA SER HUMANO TEM SUAS PRÓPRIAS DIMENSÕES E DEVEMOS RESPEITAR CADA UMA DELAS. HÁ MOMENTOS EM NOSSA VIDA QUE DEVEMOS ARTICULAR AS RELAÇÕES E REALIZAR A SÍNTESE A PARTIR DA REALIDADE DA ÁGUIA E EM OUTROS, A PARTIR DA REALIDADE DA GALINHA.

NA NOSSA ATUAL HUMANIDADE E EM NOSSO PLANETA, ASSISTIMOS AOS MANDOS E DESMANDOS DOS MAIS FORTES, DOS DETENTORES DO SABER, DO TER E DO PODER, QUE QUEREM CONTROLAR, PARA NOS REDUZIR A SIMPLES GALINHAS E NOS SUBORDINAR AOS SEUS INTERESSES, MAS É PRECISO QUE NÃO ACEITEMOS ESSA SUBMISSÃO, QUE REJEITEMOS OS CONFORMISMOS, OS COMODISMOS, PORQUE ESSA DOMINAÇÃO SEMPRE SERÁ CAUSADORA DE MUITOS SOFRIMENTOS À MAIORIA DA HUMANIDADE DIANTE DA POBREZA E DA EXCLUSÃO SOCIAL, POR ISSO É NECESSÁRIO QUE DESPERTEMOS A ÁGUIA QUE EXISTE DENTRO DE NÓS PARA JUNTOS CONSTRUIRMOS UM MUNDO MELHOR, ONDE TODOS POSSAM PARTICIPAR E DECIDIR SEM OMISSÕES, LIBERTANDO-SE DA OPRESSÃO.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

BOFF, LEONARDO. A ÁGUIA E A GALINHA, A METÁFORA DA CONDIÇÃO HUMANA. 40 ED. PETRÓPOLIS, RJ: VOZES, 1997.

CÁTIA MANOELA GASPARETTO É ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES – URI CAMPUS DE ERECHIM / JANEIRO DE 2006.