OS SETE SABERES NECESSÁRIOS À EDUCAÇÃO DO FUTURO (EDGAR MORIN)

PUBLICADO POR CONTEÚDO ESCOLA EM 22/07/2004 ÀS 09H52

MORIN, EDGAR - OS SETE SABERES NECESSÁRIOS À EDUCAÇÃO DO FUTURO 3A. ED. - SÃO PAULO - CORTEZ; BRASÍLIA, DF: UNESCO, 2001
 

EM 1999, A UNESCO SOLICITOU AO FILÓSOFO EDGAR MORIN - NASCIDO NA FRANÇA, EM 1921 E UM DOS MAIORES EXPOENTES DA CULTURA FRANCESA NO SÉCULO XX - A SISTEMATIZAÇÃO DE UM CONJUNTO DE REFLEXÕES QUE SERVISSEM COMO PONTO DE PARTIDA PARA SE REPENSAR A EDUCAÇÃO DO SÉCULO XXI.

OS SETE SABERES INDISPENSÁVEIS ENUNCIADOS POR MORIN, OBJETO DO PRESENTE LIVRO: 

- AS CEGUEIRAS DO CONHECIMENTO: O ERRO E A ILUSÃO;
- OS PRINCÍPIOS DO CONHECIMENTO PERTINENTE;
- ENSINAR A CONDIÇÃO HUMANA;
- ENSINAR A IDENTIDADE TERRENA;
- ENFRENTAR AS INCERTEZAS;
- ENSINAR A COMPREENSÃO;
- A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO,

SÃO EIXOS E, AO MESMO TEMPO, CAMINHOS QUE SE ABREM A TODOS OS QUE PENSAM E FAZEM EDUCAÇÃO E QUE ESTÃO PREOCUPADOS COM O FUTURO DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES.

O TEXTO DE EDGAR MORIN TEM O MÉRITO DE INTRODUZIR UMA NOVA E CRIATIVA REFLEXÃO NO CONTEXTO DAS DISCUSSÕES QUE ESTÃO SENDO FEITAS SOBRE A EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI.

ABORDA TEMAS FUNDAMENTAIS PARA A EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA, POR VEZES IGNORADOS OU DEIXADOS À MARGEM DOS DEBATES SOBRE A POLÍTICA EDUCACIONAL.

SUA LEITURA LEVARÁ À REVISÃO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DA ATUALIDADE, TENDO EM VISTA A NECESSIDADE DE SITUAR A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO NA TOTALIDADE DOS DESAFIOS E INCERTEZAS DOS TEMPOS ATUAIS.

SEUS CAPÍTULOS - OU EIXOS - EXPÕEM A GENIALIDADE, CLAREZA E SIMPLICIDADE DO FILÓSOFO MORIN, NUM TEXTO DEDICADO AOS EDUCADORES, EM PARTICULAR, MAS ACESSÍVEL A TODOS QUE SE INTERESSAM PELOS CAMINHOS A TRILHAR EM BUSCA DE UM FUTURO MAIS HUMANO, SOLIDÁRIO E MARCADO PELA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO.

 

 

I - AS CEGUEIRAS DO CONHECIMENTO: O ERRO E A ILUSÃO

É IMPRESSIONANTE QUE A EDUCAÇÃO QUE VISA A TRANSMITIR CONHECIMENTOS SEJA CEGA AO QUE É CONHECIMENTO HUMANO, SEUS DISPOSITIVOS, ENFERMIDADES, DIFICULDADES, TENDÊNCIAS AO ERRO E À ILUSÃO E NÃO SE PREOCUPE EM FAZER CONHECER O QUE É CONHECER.

DE FATO, O CONHECIMENTO NÃO PODE SER CONSIDERADO UMA FERRAMENTA "READY MADE", QUE PODE SER UTILIZADA SEM QUE SUA NATUREZA SEJA EXAMINADA. DA MESMA FORMA, O CONHECIMENTO DO CONHECIMENTO DEVE APARECER COMO NECESSIDADE PRIMEIRA, QUE SERVIRIA DE PREPARAÇÃO PARA ENFRENTAR OS RISCOS PERMANENTES DE ERRO E DE ILUSÃO, QUE NÃO CESSAM DE PARASITAR A MENTE HUMANA. TRATA-SE DE ARMAR CADA MENTE NO COMBATE VITAL RUMO À LUCIDEZ.

É NECESSÁRIO INTRODUZIR E DESENVOLVER NA EDUCAÇÃO ESTUDO DAS CARACTERÍSTICAS CEREBRAIS, MENTAIS, CULTURAIS DOS CONHECIMENTOS HUMANOS, DE SEUS PROCESSOS E MODALIDADES, DAS DISPOSIÇÕES TANTO PSÍQUICAS QUANTO CULTURAIS QUE O CONDUZEM AO ERRO OU À ILUSÃO.


O CALCANHAR DE AQUILES DO CONHECIMENTO

A EDUCAÇÃO DEVE MOSTRAR QUE NÃO HÁ CONHECIMENTO QUE NÃO ESTEJA, EM ALGUM GRAU, AMEAÇADO PELO ERRO E PELA ILUSÃO. O CONHECIMENTO NÃO É UM ESPELHO DAS COISAS OU DO MUNDO EXTERNO. TODAS AS PERCEPÇÕES SÃO, AO MESMO TEMPO, TRADUÇÕES E RECONSTRUÇÕES CEREBRAIS COM BASE EM ESTÍMULOS OU SINAIS CAPTADOS PELOS SENTIDOS. RESULTAM, DAÍ, OS INÚMEROS ERROS DE PERCEPÇÃO QUE NOS VÊM DE NOSSO SENTIDO MAIS CONFIÁVEL, A VISÃO.

AO ERRO DA PERCEPÇÃO ACRESCENTA-SE O ERRO INTELECTUAL

O CONHECIMENTO, COMO PALAVRA, IDÉIA, DE TEORIA, É FRUTO DE UMA TRADUÇÃO/CONSTRUÇÃO POR MEIO DA LINGUAGEM E DO PENSAMENTO E, POR CONSEGUINTE, ESTÁ SUJEITO AO ERRO. O CONHECIMENTO COMPORTA A INTERPRETAÇÃO, O QUE INTRODUZ O RISCO DE ERRO NA SUBJETIVIDADE DO CONHECEDOR, DE SUA VISÃO DE MUNDO E DE SEUS PRINCÍPIOS DE CONHECIMENTO.

DAÍ OS NUMEROSOS ERROS DE CONCEPÇÃO E DE IDÉIAS QUE SOBREVÊM A DESPEITO DE NOSSOS CONTROLES RACIONAIS. A PROJEÇÃO DE NOSSOS DESEJOS OU DE NOSSOS MEDOS E PÁS PERTURBAÇÕES MENTAIS TRAZIDAS POR NOSSAS EMOÇÕES MULTIPLICAM OS RISCOS DE ERRO.

O DESENVOLVIMENTO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO É PODEROSO MEIO DE DETECÇÃO DE ERROS E DE LUTA CONTRA AS ILUSÕES. ENTRETANTO, OS PARADIGMAS QUE CONTROLAM A CIÊNCIA PODEM DESENVOLVER ILUSÕES, E NENHUMA TEORIA CIENTÍFICA ESTÁ IMUNE PARA SEMPRE CONTRA O ERRO. ALÉM DISSO, O CONHECIMENTO CIENTÍFICO NÃO PODE TRATAR SOZINHO DOS PROBLEMAS EPISTEMOLÓGICOS, FILOSÓFICOS E ÉTICOS.

 

 

A EDUCAÇÃO DEVE SE DEDICAR, POR CONSEGUINTE, À IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM DE ERROS, ILUSÕES E CEGUEIRAS.

OS ERROS PODEM SER MENTAIS - POIS NENHUM DISPOSITIVO CEREBRAL PERMITE DISTINGUIR A ALUCINAÇÃO DA PERCEPÇÃO, O SONHO DA VIGÍLIA, O IMAGINÁRIO DO REAL, O SUBJETIVO DO OBJETIVO. A PRÓPRIA MEMÓRIA É FONTE DE ERROS INÚMEROS. NOSSA MENTE TENDE, INCONSCIENTEMENTE, A SELECIONAR AS LEMBRANÇAS CONVENIENTES E ELIMINAR AS DESAGRADÁVEIS. HÁ TAMBÉM FALSAS LEMBRANÇAS, FRUTO DE PURA ILUSÃO.

OS ERROS PODEM SER INTELECTUAIS - POIS OS SISTEMAS DE IDÉIAS (TEORIAS, DOUTRINAS, IDEOLOGIAS) NÃO APENAS ESTÃO SUJEITAS AO ERRO, COMO PROTEGEM OS ERROS POSSIVELMENTE CONTIDOS EM SEU CONTEXTO.

OS ERROS DA RAZÃO: A RACIONALIDADE É A MELHOR PROTEÇÃO CONTRA O ERRO E A ILUSÃO. MAS TRAZ EM SEU SEIO UMA POSSIBILIDADE DE ERRO E DE ILUSÃO QUANDO SE PERVERTE, SE TRANSFORMA EM RACIONALIZAÇÃO. A RACIONALIZAÇÃO, NUTRINDO-SE DAS MESMAS FONTES DA RACIONALIDADE, CONSTITUI GRANDE FONTE DE ERROS E ILUSÕES. A RACIONALIDADE NÃO É UMA QUALIDADE DE QUE SÃO DOTADAS ALGUMAS PESSOAS - TÉCNICOS E CIENTISTAS - E OUTRAS NÃO. A RACIONALIDADE TAMBÉM NÃO É MONOPÓLIO OU UMA QUALIDADE DA CIVILIZAÇÃO OCIDENTAL. MESMO SOCIEDADES ARCAICAS PODEM APRESENTAR ELEMENTOS DE RACIONALIDADE EM SEU FUNCIONAMENTO. COMEÇAMOS A NOS TORNAR VERDADEIRAMENTE RACIONAIS QUANDO RECONHECEMOS A RACIONALIZAÇÃO ATÉ EM NOSSA RACIONALIDADE E RECONHECEMOS OS PRÓPRIOS MITOS, ENTRE OS QUAIS O MITO DE NOSSA RAZÃO TODA-PODEROSA E DO PROGRESSO GARANTIDO.

É NECESSÁRIO RECONHECER, NA EDUCAÇÃO DO FUTURO, UM PRINCÍPIO DE INCERTEZA RACIONAL: POIS A RACIONALIDADE CORRE RISCO CONSTANTE, CASO NÃO MANTENHA VIGILANTE AUTOCRÍTICA QUANTO A CAIR NA ILUSÃO RACIONALIZADORA. E A VERDADEIRA RACIONALIDADE DEVE SER NÃO APENAS TEÓRICA E CRÍTICA, MAS TAMBÉM AUTOCRÍTICA.

OS ERROS PARADIGMÁTICOS - OS MODELOS EXPLICATIVOS - OS PARADIGMAS - TAMBÉM SÃO SUJEITOS A ERROS - DE CONCEPÇÃO E DE INTERPRETAÇÃO DE CONCEITOS. O PARADIGMA CARTESIANO, POR EXEMPLO - MOLA MESTRA DO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E CULTURAL DO OCIDENTE - SE FUNDAMENTA EM CONTRASTES BINÁRIOS: SUJEITO/OBJETO, ALMA/CORPO, ESPÍRITO/MATÉRIA, QUALIDADE/QUANTIDADE, SENTIMENTO/RAZÃO, EXISTÊNCIA/ESSÊNCIA, CERTO/ERRADO, BONITO/FEIO, ETC. - NÃO ENCONTRAM, NO MUNDO DE HOJE, A FUNDAMENTAÇÃO QUE PARECIA POSSUIR NO INÍCIO DO SÉCULO XX. O PARADIGMA - COMO O CARTESIANO - MOSTRA ALGUMA COISA E ESCONDE OUTRAS - PODENDO, PORTANTO, ELUCIDAR E CEGAR, REVELAR E OCULTAR. É NO SEU SEIO QUE SE ESCONDE O PROBLEMA -CHAVE DO JOGO DA VERDADE E DO ERRO.

 

 

O "IMPRINTING" E A NORMALIZAÇÃO

"IMPRINTING" É O TERMO PROPOSTO POR KONRAD LORENZ PARA DAR CONTA DA MARCA INDELÉVEL IMPOSTA PELAS PRIMEIRAS EXPERIÊNCIAS DO ANIMAL RECÉM NASCIDO. O 'IMPRINTING" CULTURAL MARCA OS HUMANOS DESDE O NASCIMENTO, PRIMEIRO COM O ELO DA CULTURA FAMILIAR; DEPOIS DA CULTURA DA ESCOLA, PROSSEGUINDO PELA UNIVERSIDADE E NA VIDA PROFISSIONAL.

A NORMALIZAÇÃO - FORMA DE ESTANDARTIZAÇÃO DAS CONSCIÊNCIAS - É UM PROCESSO SOCIAL (CONFORMISMO) QUE ELIMINA O PODER DA PESSOA HUMANA DE CONTESTAR O "IMPRINTING".

A NOOLOGIA: POSSESSÃO

O AUTOR CITA MARX, AO DIZER "OS PRODUTOS DO CÉREBRO HUMANO TÊM O ASPECTO DE SERES INDEPENDENTES, DOTADOS DE CORPOS PARTICULARES EM COMUNICAÇÃO COM OS HUMANOS E ENTRE SI". EDGAR MORIN ESTÁ SE REFERINDO ÀS CRENÇAS E IDÉIAS - MUITAS VEZES REIFICADAS, CORPORIFICADAS, A PONTO DE AFIRMAR QUE "AS CRENÇAS E IDÉIAS NÃO SÃO SOMENTE PRODUTOS DA MENTE, MAS TAMBÉM SERES MENTAIS QUE TÊM VIDA E PODER; E ASSIM, PODEM POSSUIR-NOS". O HOMEM, NA VISÃO DO AUTOR, É PRISIONEIRO, POR VEZES, DE SUAS CRENÇAS E IDÉIAS, NOS DIAS DE HOJE, ASSIM COMO O FOI, ANTERIORMENTE, PRISIONEIRO DOS MITOS E SUPERSTIÇÕES.

O INESPERADO

O INESPERADO, NO DIZER DE MORIN, "SURPREENDE-NOS"; NÓS NOS ACOSTUMAMOS DE MANEIRA SEGURA COM NOSSAS TEORIAS, CRENÇAS E IDÉIAS, SEM DEIXAR LUGAR PARA O ACOLHER O "NOVO". ENTRETANTO, O 'NOVO" BROTA SEM PARAR...

QUANDO O INESPERADO SE MANIFESTA, É PRECISO SER CAPAZ DE REVER NOSSAS TEORIAS E IDÉIAS, EM VEZ DE DEIXAR O FATO NOVO ENTRAR À FORÇA NUM AMBIENTE (OU INSTÂNCIA, OU TEORIA) INCAPAZ DE RECEBÊ-LO.

A INCERTEZA DO CONHECIMENTO

É PRECISO DESTACAR, EM QUALQUER EDUCAÇÃO, AS GRANDES INTERROGAÇÕES SOBRE NOSSAS POSSIBILIDADES DE CONHECER. PÔR EM PRÁTICA AS INTERROGAÇÕES CONSTITUI O OXIGÊNIO DE QUALQUER PROPOSTA DE CONHECIMENTO. E O CONHECIMENTO PERMANECE COMO UMA AVENTURA PARA A QUAL A EDUCAÇÃO DEVE FORNECER O APOIO INDISPENSÁVEL.

 

 

II - OS PRINCÍPIOS DO CONHECIMENTO PERTINENTE

EXISTE UM PROBLEMA CAPITAL, SEMPRE IGNORADO, QUE É O DA NECESSIDADE DE PROMOVER O CONHECIMENTO CAPAZ DE APRENDER PROBLEMAS GLOBAIS E FUNDAMENTAIS PARA NELES INSERIR OS CONHECIMENTOS PARCIAIS E LOCAIS.

A SUPREMACIA DO CONHECIMENTO FRAGMENTADO DE ACORDO COM AS DISCIPLINAS IMPEDE FREQÜENTEMENTE DE OPERAR O VÍNCULO ENTRE AS PARTES E A TOTALIDADE, E DEVE SER SUBSTITUÍDA POR UM MODO DE CONHECIMENTO CAPAZ DE APREENDER OS OBJETOS EM SEU CONTEXTO, SUA COMPLEXIDADE, SEU CONJUNTO.

É NECESSÁRIO DESENVOLVER A APTIDÃO NATURAL DO ESPÍRITO HUMANO PARA SITUAR TODAS ESSAS INFORMAÇÕES EM UM CONTEXTO E UM CONJUNTO. É PRECISO ENSINAR OS MÉTODOS QUE PERMITAM ESTABELECER AS RELAÇÕES MÚTUAS E AS INFLUÊNCIAS RECÍPROCAS ENTRE AS PARTES E O TODO EM UM MUNDO COMPLEXO.

DA PERTINÊNCIA NO CONHECIMENTO

A PERTINÊNCIA DO MUNDO ENQUANTO MUNDO É UMA NECESSIDADE, AO MESMO TEMPO, INTELECTUAL E VITAL.

É O PROBLEMA UNIVERSAL DE TODO CIDADÃO DO NOVO MILÊNIO: COMO TER ACESSO ÀS INFORMAÇÕES E ORGANIZÁ-LAS? COMO PERCEBER E CONCEBER O CONTEXTO, O GLOBAL (RELAÇÃO TODO/PARTES) O MULTIDIMENSIONAL, O COMPLEXO?

PARA ARTICULAR E ORGANIZAR OS CONHECIMENTOS E, ASSIM, RECONHECER E CONHECER OS PROBLEMAS DO MUNDO, É NECESSÁRIA A REFORMA DO PENSAMENTO. ENTRETANTO, ESSA REFORMA NÃO É PROGRAMÁTICA, MAIS SIM, PARADIGMÁTICA - É QUESTÃO FUNDAMENTAL DA EDUCAÇÃO, JÁ QUE SE REFERE À NOSSA APTIDÃO PARA ORGANIZAR O CONHECIMENTO.

ESSE É O GRANDE PROBLEMA A SER ENFRENTADO PELA EDUCAÇÃO DO FUTURO - TORNAR EVIDENTES:

- O CONTEXTO: O CONHECIMENTO DAS INFORMAÇÕES OU DADOS ISOLADOS É INSUFICIENTE; É PRECISO SITUAR AS INFORMAÇÕES E DADOS EM SEU CONTEXTO PARA QUE ADQUIRAM SENTIDO;
- O GLOBAL (RELAÇÃO TODO/PARTES); É MAIS QUE O CONTEXTO, É O CONJUNTO DAS DIVERSAS PARTES LIGADAS A ELE DE MODO INTER-RETROATIVO OU ORGANIZACIONAL; ASSIM, UMA SOCIEDADE É MAIS QUE UM CONTEXTO: É O TODO ORGANIZADOR DE QUE FAZEMOS PARTE;
- O MULTIDIMENSIONAL: SOCIEDADES OU SERES HUMANOS SÃO UNIDADES COMPLEXAS, MULTIDIMENSIONAIS; ASSIM, O SER HUMANO É, AO MESMO TEMPO, BIOLÓGICO, PSÍQUICO, AFETIVO, SOCIAL, RACIONAL; A SOCIEDADE COMPORTA DIMENSÕES HISTÓRICA, ECONÔMICA, SOCIOLÓGICA, RELIGIOSAS; O CONHECIMENTO PERTINENTE DEVE RECONHECER ESSE CARÁTER MULTIDIMENSIONAL E NESSE INSERIR TODOS OS DADOS A ELE PERTINENTES.
- O COMPLEXO: HÁ COMPLEXIDADE QUANDO ELEMENTOS DIFERENTES SÃO INSEPARÁVEIS CONSTITUTIVOS DO TODO E HÁ UM TECIDO INDEPENDENTE, INTERATIVO E INTER-RETROATIVO ENTRE O OBJETO DE CONHECIMENTO E SEU CONTEXTO, PARTES E TODO, TODO E PARTES, PARTES EM SI; ASSIM, COMPLEXIDADE É A UNIÃO ENTRE UNIDADE E MULTIPLICIDADE.

 

 

A INTELIGÊNCIA GERAL

O DESENVOLVIMENTO DE APTIDÕES GERAIS DA MENTE PERMITE MELHOR DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS PARTICULARES OU ESPECIALIZADAS.

QUANTO MAIS PODEROSA É A INTELIGÊNCIA GERAL, MAIOR É SUA FACULDADE PARA TRATAR DE PROBLEMAS ESPECIAIS. A COMPREENSÃO DE DADOS PARTICULARES TAMBÉM NECESSITA DA ATIVAÇÃO DA INTELIGÊNCIA GERAL, QUE OPERA E ORGANIZA A MOBILIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS DE CONJUNTO DE CADA CASO PARTICULAR.

A EDUCAÇÃO DEVE FAVORECER A APTIDÃO NATURAL DA MENTE EM FORMULAR E PROBLEMAS ESSENCIAIS E, DE FORMA CORRELATA, ESTIMULAR O USO TOTAL DA INTELIGÊNCIA GERAL. ESTE USO TOTAL PEDE O LIVRE EXERCÍCIO DA CURIOSIDADE, A FACULDADE MAIS EXPANDIDA E A MAIS VIVA DURANTE A INFÂNCIA E A ADOLESCÊNCIA, QUE COM FREQÜÊNCIA A INSTRUÇÃO EXTINGUE E QUE, AO CONTRÁRIO, SE TRATA DE ESTIMULAR, CASO ESTEJA ADORMECIDA, DESPERTAR.

A EDUCAÇÃO DO FUTURO, EM SUA MISSÃO DE PROMOVER A INTELIGÊNCIA GERAL DOS INDIVÍDUOS, DEVE AO MESMO TEMPO UTILIZAR OS CONHECIMENTOS EXISTENTES, SUPERAR AS ANTINOMIAS DECORRENTES DO PROGRESSO NOS CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS E IDENTIFICAR A FALSA RACIONALIDADE.

A ANTINOMIA - PARA MORIN, NOS DIAS ATUAIS, OS SISTEMAS DE ENSINO PORTAM ANTINOMIAS - CONTRADIÇÕES - CRIANDO E ALIMENTANDO DISJUNÇÕES ENTRE AS CIÊNCIAS E AS HUMANIDADES, ASSIM COMO A SEPARAÇÃO DAS CIÊNCIAS EM DISCIPLINAS HIPERESPECIALIZADAS, FECHADAS EM SI MESMAS. OS PROBLEMAS FUNDAMENTAIS DA HUMANIDADE E OS PROBLEMAS GLOBAIS ESTÃO AUSENTES DAS CIÊNCIAS DISCIPLINARES; O ENFRAQUECIMENTO DA PERCEPÇÃO GLOBAL CONDUZ AO ENFRAQUECIMENTO DA RESPONSABILIDADE (CADA UM PASSA A RESPONDER SOMENTE POR SUA TAREFA ESPECIALIZADA), ASSIM COMO AO ENFRAQUECIMENTO DA SOLIDARIEDADE (AS PESSOAS NÃO SENTEM MAIS OS VÍNCULOS COM SEUS CONCIDADÃOS).

OS PROBLEMAS ESSENCIAIS

DISJUNÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO FECHADA - HIPER-ESPECIALIZAÇÃO IMPEDE TANTO A PERCEPÇÃO DO GLOBAL (QUE ELA FRAGMENTA EM PARCELAS) QUANTO DO ESSENCIAL (QUE ELA DISSOLVE).

REDUÇÃO E DISJUNÇÃO - O PRINCÍPIO DA REDUÇÃO (LIMITAR O CONHECIMENTO DO TODO AO CONHECIMENTO DE SUAS PARTES) LEVA NATURALMENTE A RESTRINGIR O COMPLEXO AO SIMPLES. APLICA ÀS COMPLEXIDADES VIVAS E HUMANAS A LÓGICA MECÂNICA E DETERMINISTA DA MÁQUINA ARTIFICIAL. COMO NOSSA EDUCAÇÃO SEMPRE NOS ENSINOU A SEPARAR, COMPARTIMENTAR, ISOLAR, E NÃO UNIR OS CONHECIMENTOS, O CONJUNTO DELES CONSTITUI UM QUEBRA-CABEÇAS ININTELIGÍVEL.

A INTELIGÊNCIA COMPARTIMENTADA, PARCELADA, MECANICISTA, REDUCIONISTA, ENFIM - DISJUNTIVA - ROMPE O COMPLEXO DO MUNDO EM FRAGMENTOS DISJUNTOS, FRACIONA OS PROBLEMAS, SEPARA O QUE ESTÁ UNIDO, TORNA UNIDIMENSIONAL O MULTIDIMENSIONAL. É UMA INTELIGÊNCIA MÍOPE QUE ACABA POR SER NORMALMENTE CEGA. REDUZ AS POSSIBILIDADES DE JULGAMENTO CORRETIVO OU DA VISÃO A LONGO PRAZO. ASSIM, QUANTO MAIS A CRISE PROGRIDE, MAIS PROGRIDE A INCAPACIDADE DE PENSAR A CRISE; QUANTO MAIS OS PROBLEMAS SE TORNAM MULTIDIMENSIONAIS, MAIOR A INCAPACIDADE DE PENSAR SUA MULTIDIMENSIONALIDADE; QUANTO MAIS OS PROBLEMAS SE TORNAM PLANETÁRIOS, MAIS ELES SE TORNAM IMPENSÁVEIS.

A FALSA RACIONALIDADE - OU SEJA, A RACIONALIZAÇÃO ABSTRATA, TRIUNFA HOJE EM DIA, POR TODA A PARTE, NA FORMA DO PENSAMENTO TECNOCRÁTICO - INCAPAZ DE COMPREENDER O VIVO E O HUMANO AOS QUAIS SE APLICA, ACREDITANDO-SE SER O ÚNICO RACIONAL. O SÉCULO XX VIVEU SOB O DOMÍNIO DA PSEUDO-RACIONALIDADE QUE PRESUMIA SER A ÚNICA RACIONALIDADE, MAS ATROFIOU A COMPREENSÃO, A REFLEXÃO E A VISA EM LONGO PRAZO. SUA INSUFICIÊNCIA PARA LIDAR COM OS PROBLEMAS MAIS GRAVES CONSTITUIU UM DOS MAIS GRAVES PROBLEMAS PARA A HUMANIDADE. DAÍ, O PARADOXO: O SÉCULO XX PRODUZIU AVANÇOS GIGANTESCOS EM TODAS AS ÁREAS DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO, ASSIM COMO NO CAMPO DA TÉCNICA. AO MESMO TEMPO, PRODUZIU NOVA CEGUEIRA PARA OS PROBLEMAS GLOBAIS, FUNDAMENTAIS E COMPLEXOS, GERANDO INÚMEROS ERROS E ILUSÕES.

 

 

III - ENSINAR A CONDIÇÃO HUMANA

O SER HUMANO É A UM SÓ TEMPO, FÍSICO, BIOLÓGICO, PSÍQUICO, CULTURAL, SOCIAL, HISTÓRICO. ESTA UNIDADE COMPLEXA NA NATUREZA HUMANA É TOTALMENTE DESINTEGRADA NA EDUCAÇÃO POR MEIO DAS DISCIPLINAS, TENDO-SE TORNADO IMPOSSÍVEL APRENDER O QUE SIGNIFICA SER HUMANO. É PRECISO RESTAURÁ-LA, DE MODO QUE CADA UM, ONDE QUER QUE SE ENCONTRE, TOME CONHECIMENTO E CONSCIÊNCIA, AO MESMO TEMPO, DE SUA IDENTIDADE COMPLEXA E DE SUA IDENTIDADE COMUM A TODOS OS OUTROS HUMANOS.

DESSE MODO, A CONDIÇÃO HUMANA DEVERIA SER O OBJETO ESSENCIAL DE TODO O ENSINO. É POSSÍVEL, COMO BASE NAS DISCIPLINAS ATUAIS, RECONHECER A UNIDADE E A COMPLEXIDADE HUMANAS, REUNINDO E ORGANIZANDO CONHECIMENTOS DISPERSOS NAS CIÊNCIAS DA NATUREZA, NAS CIÊNCIAS HUMANAS, NA LITERATURA E NA FILOSOFIA, PONDO EM EVIDÊNCIA O ELO INDISSOLÚVEL ENTRE A UNIDADE E A DIVERSIDADE DE TUDO QUE É HUMANO.

ENRAIZAMENTO/DESENVOLVIMENTO DO SER HUMANO

A EDUCAÇÃO DO FUTURO DEVERÁ SER O ENSINO PRIMEIRO E UNIVERSAL, CENTRADO NA CONDIÇÃO HUMANA. CONHECER O HUMANO É, ANTES DE MAIS NADA, SITUÁ-LO NO UNIVERSO, E NÃO SEPARA-LO DELE. TODO O CONHECIMENTO DEVE CONTEXTUALIZAR SEU OBJETO PARA SER PERTINENTE; "QUEM SOMOS?" É INSEPARÁVEL DE "ONDE ESTAMOS", "DE ONDE VIEMOS', PARA "PARA ONDE VAMOS?". INTERROGAR NOSSA CONDIÇÃO HUMANA IMPLICA QUESTIONAR NOSSA POSIÇÃO NO MUNDO. PARA A EDUCAÇÃO DO FUTURO, É NECESSÁRIO PROMOVER GRANDE REMEMBRAMENTO (CONSOLIDAÇÃO) DOS CONHECIMENTOS ORIUNDOS DAS CIÊNCIAS NATURAIS, A FIM DE SITUAR A CONDIÇÃO HUMANA NO MUNDO, DOS CONHECIMENTOS DERIVADOS DAS CIÊNCIAS HUMANAS PARA COLOCAR EM EVIDÊNCIA A MULTIDIMENSIONALIDADE E A COMPLEXIDADE HUMANAS.

O HUMANO DO HUMANO

O HOMEM É UM SER A UM SÓ TEMPO PLENAMENTE BIOLÓGICO E PLENAMENTE CULTURAL, QUE TRAZ EM SI A UNIDUALIDADE ORIGINÁRIA. É SUPER E HIPERVIVENTE: DESENVOLVEU DE MODO SURPREENDENTE AS POTENCIALIDADES DA VIDA. EXPRIME DE MANEIRA HIPERTROFIADA AS QUALIDADES EGOCÊNTRICAS E ALTRUÍSTAS DO INDIVÍDUO, ALCANÇA PAROXISMOS DE VIDA EM ÊXTASES E NA EMBRIAGUES, FERVE DE ARDORES ORGIÁSTICOS E ORGÁSMICOS E É NESSA HIPERVITALIDADE QUE O "HOMO SAPIENS" É TAMBÉM "HOMO DEMENS".

O HOMEM E O HUMANO SE ENCONTRAM ANELADOS A TRÊS CIRCUITOS FUNDAMENTAIS PARA SUA VIDA ENQUANTO SER E ENQUANTO PESSOA:

- O CIRCUITO CÉREBRO/MENTE/CULTURA;
- O CIRCUITO RAZÃO/AFETO/PULSÃO; E
- O CIRCUITO INDIVÍDUO/SOCIEDADE/ESPÉCIE.

TODO DESENVOLVIMENTO VERDADEIRAMENTE HUMANO SIGNIFICA O DESENVOLVIMENTO CONJUNTO DAS AUTONOMIAS INDIVIDUAIS, DAS PARTICIPAÇÕES COMUNITÁRIAS E DO SENTIMENTO DE PERTENCER À ESPÉCIE HUMANA.

"UNITAS MULTIPLEX": UNIDADE E DIVERSIDADE HUMANA

HÁ UMA UNIDADE HUMANA; E HÁ UMA DIVERSIDADE HUMANA. A UNIDADE NÃO ESTÁ APENAS NOS TRAÇOS BIOLÓGICOS DA ESPÉCIE; A DIVERSIDADE NÃO ESTÁ APENAS NOS TRAÇOS PSICOLÓGICOS, CULTURAIS E SOCIAIS. EXISTEM OUTRAS UNIDADE E DIVERSIDADES PERFILHANDO AS CARACTERÍSTICAS DO SER HUMANO EM "SER HUMANO".

CABE À EDUCAÇÃO DO FUTURO CUIDAR PARA QUE A IDÉIA DE UNIDADE DA ESPÉCIE HUMANA NÃO APAGUE A IDÉIA DE DIVERSIDADE E QUE A DIVERSIDADE NÃO APAGUE A UNIDADE. A EDUCAÇÃO DEVERÁ ILUSTRAR ESTE PRINCÍPIO DE UNIDADE/DIVERSIDADE EM TODAS AS ESFERAS DO CONHECIMENTO.

 

 

IV - ENSINAR A IDENTIDADE TERRENA

O DESTINO PLANETÁRIO DO GÊNERO HUMANO É OUTRA REALIDADE ATÉ AGORA IGNORADA PELA EDUCAÇÃO. O CONHECIMENTO DOS DESENVOLVIMENTOS DA ERA PLANETÁRIA, QUE TENDEM A CRESCER NO SÉCULO XXI, E O RECONHECIMENTO DA IDENTIDADE TERRENA, QUE SE TORNARÁ CADA VEZ MAIS INDISPENSÁVEL A CADA UM E A TODOS, DEVEM CONVERTER-SE EM UM DOS PRINCIPAIS OBJETOS DA EDUCAÇÃO.

CONVÉM ENSINAR A HISTÓRIA DA ERA PLANETÁRIA, QUE SE INICIA COM O ESTABELECIMENTO DA COMUNICAÇÃO ENTRE TODOS OS CONTINENTES NO SÉCULO XVI, E MOSTRAR COMO TODAS AS PARTES DO MUNDO SE TORNARAM SOLIDÁRIAS, SEM, CONTUDO, OCULTAR AS OPRESSÕES E A DOMINAÇÃO QUE DEVASTARAM A HUMANIDADE E QUE AINDA NÃO DESAPARECERAM. SERÁ PRECISO INDICAR O COMPLEXO DE CRISE PLANETÁRIA QUE MARCA O SÉCULO XX, MOSTRANDO QUE TODOS OS SERES HUMANOS, CONFRONTADOS DE AGORA EM DIANTE AOS MESMOS PROBLEMAS DE VIDA E DE MORTE, PARTILHAM UM DESTINO COMUM.

A CONTRIBUIÇÃO DAS CONTRACORRENTES

O SÉCULO XX DEIXOU COMO HERANÇA CONTRACORRENTES REGENERADORAS. FREQÜENTEMENTE, NA HISTÓRIA, CONTRACORRENTES SUSCITADAS EM REAÇÃO ÁS CORRENTES DOMINANTES PODEM SE DESENVOLVER E MUDAR O CURSO DOS ACONTECIMENTOS. DEVEMOS CONSIDERAR, COMO MOVIMENTOS IMPORTANTES E ATUANTES:

- A CONTRACORRENTE ECOLÓGICA QUE, COM O CRESCIMENTO DAS DEGRADAÇÕES E O SURGIMENTO DE CATÁSTROFES TÉCNICAS/INDUSTRIAIS, SÓ TENDE A AUMENTAR;
- A CONTRACORRENTE QUALITATIVA QUE, EM REAÇÃO À INVASÃO DO QUANTITATIVO E DA UNIFORMIZAÇÃO GENERALIZADA, SE APEGA À QUALIDADE EM TODOS OS CAMPOS, A COMEÇAR PELA QUALIDADE DE VIDA;
- A CONTRACORRENTE DA RESISTÊNCIA À VIDA PROSAICA PURAMENTE UTILITÁRIA, QUE SE MANIFESTA PELA BUSCA DA VIDA POÉTICA, DEDICADA AO AMOR, À ADMIRAÇÃO, À PAIXÃO, À FESTA;
- A CONTRACORRENTE DE RESISTÊNCIA À PRIMAZIA DO CONSUMO PADRONIZADO, QUE SE MANIFESTA DE DUAS MANEIRAS OPOSTAS: UMA, PELA BUSCA DA INTENSIDADE VIVIDA (CONSUMISMO); A OUTRA, PELA BUSCA DA FRUGALIDADE E TEMPERANÇA (MINIMALISMO);
- A CONTRACORRENTE, AINDA TÍMIDA, DE EMANCIPAÇÃO EM RELAÇÃO À TIRANIA ONIPRESENTE DO DINHEIRO, QUE SE BUSCA CONTRABALANÇAR POR RELAÇÕES HUMANAS E SOLIDÁRIAS, FAZENDO RETROCEDER O REINO DO LUCRO;
- A CONTRACORRENTE, TAMBÉM TÍMIDA, QUE, EM REAÇÃO AO DESENCADEAMENTO DA VIOLÊNCIA, NUTRE ÉTICAS DE PACIFICAÇÃO DAS ALMAS E DAS MENTES.

 

 

V - ENFRENTAR AS INCERTEZAS

AS CIÊNCIAS PERMITIRAM QUE ADQUIRÍSSEMOS MUITAS CERTEZAS, MAS IGUALMENTE REVELARAM, AO LONGO DO SÉCULO XX, INÚMERAS ZONAS DE INCERTEZA. A EDUCAÇÃO DEVERIA INCLUIR O ENSINO DAS INCERTEZAS QUE SURGIRAM NAS CIÊNCIAS FÍSICAS (MICROFÍSICA, TERMODINÂMICA, COSMOLOGIA), NAS CIÊNCIAS DA EVOLUÇÃO BIOLÓGICA E NAS CIÊNCIAS HISTÓRICAS.

SERÁ PRECISO ENSINAR PRINCÍPIOS DE ESTRATÉGIA QUE PERMITIRIAM ENFRENTAR OS IMPREVISTOS, O INESPERADO E A INCERTEZA, E MODIFICAR SEU DESENVOLVIMENTO EM VIRTUDE DAS INFORMAÇÕES ADQUIRIDAS AO LONGO DO TEMPO. É PRECISO APRENDER A NAVEGAR EM UM OCEANO DE INCERTEZAS EM MEIO A ARQUIPÉLAGOS DE CERTEZA.

A FÓRMULA DO POETA GREGO EURÍPEDES, QUE DATA DE VINTE E CINCO SÉCULOS, NUNCA FOI TÃO ATUAL: "O ESPERADO NÃO SE CUMPRE, E AO INESPERADO UM DEUS ABRE O CAMINHO". O ABANDONO DAS CONCEPÇÕES DETERMINISTAS DA HISTÓRIA HUMANA QUE ACREDITAVAM PODER PREDIZER NOSSO FUTURO, O ESTUDO DOS GRANDES ACONTECIMENTOS E DESASTRES DE NOSSO SÉCULO, TODOS INESPERADOS, O CARÁTER DORAVANTE DESCONHECIDO DA AVENTURA HUMANA DEVEM-NOS INCITAR A PREPARAR AS MENTES PARA ESPERAR O INESPERADO, PARA ENFRENTA-LO. É NECESSÁRIO QUE TODOS OS QUE SE OCUPAM DA EDUCAÇÃO CONSTITUAM A VANGUARDA ANTE A INCERTEZA DE NOSSOS TEMPOS.


VI - ENSINAR A COMPREENSÃO

A COMPREENSÃO É A UM SÓ TEMPO MEIO E FIM DA COMUNICAÇÃO HUMANA. ENTRETANTO, A EDUCAÇÃO PARA A COMPREENSÃO ESTÁ AUSENTE NO ENSINO. O PLANETA NECESSITA, EM TODOS OS SENTIDOS, DE COMPREENSÃO MÚTUA. CONSIDERANDO A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA A COMPREENSÃO, EM TODOS OS NÍVEIS EDUCATIVOS E EM TODAS AS IDADES, O DESENVOLVIMENTO DA COMPREENSÃO PEDE A REFORMA DAS MENTALIDADES. ESTA DEVE SER A OBRA PARA A EDUCAÇÃO DO FUTURO.

A COMPREENSÃO MÚTUA ENTRE OS SERES HUMANOS, QUER PRÓXIMOS, QUER ESTRANHOS, É DAQUI PARA A FRENTE VITAL PARA QUE AS RELAÇÕES HUMANAS SAIAM DE SEU ESTADO BÁRBARO DE INCOMPREENSÃO. DAÍ DECORRE A NECESSIDADE DE ESTUDAR A INCOMPREENSÃO A PARTIR DE SUAS RAÍZES, SUAS MODALIDADES E SEUS EFEITOS. ESTE ESTUDO É TANTO MAIS NECESSÁRIO PORQUE ENFOCARIA NÃO OS SINTOMAS, MAS AS CAUSAS DO RACISMO, DA XENOFOBIA, DO DESPREZO. CONSTITUIRIA, AO MESMO TEMPO, UMA DAS BASES MAIS SEGURAS DA EDUCAÇÃO PARA A PAZ, À QUAL ESTAMOS LIGADOS POR ESSÊNCIA E VOCAÇÃO.

 

 

AS DUAS COMPREENSÕES

HÁ DUAS FORMAS DE COMPREENSÃO: A COMPREENSÃO INTELECTUAL OU OBJETIVA E A COMPREENSÃO HUMANA INTERSUBJETIVA. COMPREENDER SIGNIFICA INTELECTUALMENTE APREENDER EM CONJUNTO, COMPREHENDERE, ABRAÇAR JUNTO (O TEXTO E O SEU CONTEXTO, AS PARTES E O TODO, O MÚLTIPLO E O UNO). A COMPREENSÃO INTELECTUAL PASSA PELA INTELIGIBILIDADE E PELA EXPLICAÇÃO. EXPLICAR É CONSIDERAR O QUE É PRECISO CONHECER COMO OBJETO E APLICAR-LHE TODOS OS MEIOS OBJETIVOS DE CONHECIMENTO. A EXPLICAÇÃO É, BEM ENTENDIDO, NECESSÁRIA PARA A COMPREENSÃO INTELECTUAL OU OBJETIVA.

MAS A COMPREENSÃO HUMANA VAI ALÉM DA EXPLICAÇÃO. A EXPLICAÇÃO É BASTANTE PARA A COMPREENSÃO INTELECTUAL OU OBJETIVA DAS COISAS ANÔNIMAS OU MATERIAIS. A COMPREENSÃO HUMANA COMPORTA UM CONHECIMENTO DE SUJEITO A SUJEITO. POR CONSEGUINTE, SE VEMOS UMA CRIANÇA CHORANDO, NÓS A COMPREENDEMOS, NÃO PELO GRAU DE SALINIDADE DE SUAS LÁGRIMAS, MAS POR BUSCAR EM NÓS MESMOS NOSSAS AFLIÇÕES INFANTIS, IDENTIFICANDO-A CONOSCO E IDENTIFICANDO COM ELA. COMPREENDER INCLUI, NECESSARIAMENTE, UM PROCESSO DE EMPATIA, DE IDENTIFICAÇÃO E DE PROJEÇÃO. SEMPRE INTERSUBJETIVA, A COMPREENSÃO PEDE ABERTURA, SIMPATIA E GENEROSIDADE.

EDUCAÇÃO PARA OS OBSTÁCULOS À COMPREENSÃO

HÁ MÚLTIPLOS OBSTÁCULOS EXTERIORES À COMPREENSÃO INTELECTUAL:

- O "RUÍDO" QUE INTERFERE NA TRANSMISSÃO DA INFORMAÇÃO, CRIANDO O MAL-ENTENDIDO E OU NÃO-ENTENDIDO;
- A POLISSEMIA DE UMA NOÇÃO QUE, ENUNCIADA EM UM SENTIDO, É ENTENDIDA DE OUTRA FORMA;
- HÁ A IGNORÂNCIA DOS RITOS E COSTUMES DO OUTRO, ESPECIALMENTE OS RITOS DE CORTESIA, O QUE PODE LEVAR A SE OFENDER INCONSCIENTEMENTE OU DESQUALIFICAR A SI MESMO PERANTE O OUTRO (DIVERSIDADE CULTURAL);
- EXISTE A INCOMPREENSÃO DOS VALORES IMPERATIVOS PROPAGADOS NO SEIO DE OUTRA CULTURA - RESPEITO AOS IDOSOS, CRENÇAS RELIGIOSAS, OBEDIÊNCIA INCONDICIONAL DAS CRIANÇAS, OU, AO CONTRÁRIO, EM NOSSA SOCIEDADE, O CULTO AO INDIVÍDUO E O RESPEITO ÀS LIBERDADES;
- HÁ A INCOMPREENSÃO DOS IMPERATIVOS ÉTICOS PRÓPRIOS A UMA CULTURA, O IMPERATIVO DA VINGANÇA NAS SOCIEDADES TRIBAIS, O IMPERATIVO DA LEI NAS SOCIEDADES EVOLUÍDAS;
- EXISTE A IMPOSSIBILIDADE, ENQUANTO VISÃO DE MUNDO, DE COMPREENDER AS IDÉIAS E OS ARGUMENTOS DE OUTRA VISÃO DE MUNDO, ASSIM COMO UMA IDEOLOGIA/FILOSOFIA COMPREENDER OUTRA IDEOLOGIA/FILOSOFIA;
- EXISTE, ENFIM, A IMPOSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DE UMA ESTRUTURA MENTAL EM RELAÇÃO A OUTRA.

 

 

A ÉTICA DA COMPREENSÃO

É A ARTE DE VIVER QUE NOS DEMANDA, EM PRIMEIRO LUGAR, COMPREENDER DE MODO DESINTERESSADO. DEMANDA GRANDE ESFORÇO, POIS NÃO PODE ESPERAR NENHUMA RECIPROCIDADE: AQUELE QUE É AMEAÇADO DE MORTE POR UM FANÁTICO COMPREENDE PORQUE O FANÁTICO QUER MATA-LO, SABENDO QUE ESTE JAMAIS O COMPREENDERÁ. A ÉTICA DA COMPREENSÃO PEDE QUE COMPREENDA A INCOMPREENSÃO.


VII - A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO

"EL CAMINO SE HACE AL ANDAR" (ANTONIO MACHADO)

A EDUCAÇÃO DEVE CONDUZIR À "ANTROPO-ÉTICA", LEVANDO EM CONTA O CARÁTER TERNÁRIO DA CONDIÇÃO HUMANA, QUE É SER AO MESMO TEMPO INDIVÍDUO/SOCIEDADE/ESPÉCIE. NESSE SENTIDO, A ÉTICA INDIVÍDUO/ESPÉCIE NECESSITA DO CONTROLE MÚTUO DA SOCIEDADE PELO INDIVÍDUO E DO INDIVÍDUO PELA SOCIEDADE, OU SEJA, A DEMOCRACIA; A ÉTICA INDIVÍDUO/ESPÉCIE CONVOCA, AO SÉCULO XXI, A CIDADANIA TERRESTRE.

A ÉTICA NÃO PODERIA SER ENSINADA POR MEIO DE LIÇÕES DE MORAL. DEVE FORMAR-SE NAS MENTES COM BASE NA CONSCIÊNCIA DE QUE O HUMANO É, AO MESMO TEMPO, INDIVÍDUO, PARTE DA SOCIEDADE, PARTE DA ESPÉCIE. CARREGAMOS EM NÓS ESTA TRIPLA REALIDADE. DESSE MODO, TODO DESENVOLVIMENTO VERDADEIRAMENTE HUMANO DEVE COMPREENDER O DESENVOLVIMENTO CONJUNTO DAS AUTONOMIAS INDIVIDUAIS, DAS PARTICIPAÇÕES COMUNITÁRIAS E DA CONSCIÊNCIA DE PERTENCER À ESPÉCIE HUMANA.

PARTINDO DISSO, ESBOÇAM-SE DUAS GRANDES FINALIDADES ÉTICO-POLÍTICAS DO NOVO MILÊNIO: ESTABELECER UMA RELAÇÃO DE CONTROLE MÚTUO ENTRE A SOCIEDADE E OS INDIVÍDUOS PELA DEMOCRACIA E CONCEBER A HUMANIDADE COMO COMUNIDADE PLANETÁRIA. A EDUCAÇÃO DEVE CONTRIBUIR NÃO SOMENTE PARA A TOMADA DE CONSCIÊNCIA DE NOSSA "TERRA-PÁTRIA", MAS TAMBÉM PERMITIR QUE ESTA CONSCIÊNCIA SE TRADUZA EM VONTADE DE REALIZAR A CIDADANIA TERRENA.

NÃO POSSUÍMOS AS CHAVES QUE ABRIRIAM AS PORTAS DE UM FUTURO MELHOR. NÃO CONHECEMOS O CAMINHO TRAÇADO. PODEMOS, PORÉM, EXPLICITAR NOSSAS FINALIDADES: A BUSCA DA HOMINIZAÇÃO NA HUMANIZAÇÃO, PELO ACESSO À CIDADANIA TERRENA.